“O sr. soltou e grampeou o Youssef, poderia saber mais do que eu”, diz Lula a Moro sobre crimes na Petrobrás

Ex-presidente, irônico, foi interrogado pelo juiz da Lava Jato sobre ilícitos e indicações na estatal petrolífera

Luiz Vassallo

11 de maio de 2017 | 05h00

Lula e Moro. Fotos: Estadão

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em depoimento à Justiça Federal, no âmbito da Operação Lava Jato, que o juiz Sérgio Moro ‘poderia saber mais do que ele’ [Lula] a respeito de crimes cometidos na Petrobrás, já que, segundo o petista, Moro ‘mandou soltar e grampear’ Alberto Youssef. O depoimento se deu no âmbito de ação penal em que o petista é réu por propinas de R$ 3,7 milhões da OAS. Uma das benesses a Lula seria a suposta doação e reformas do tríplex no condomínio Solaris. Na mesma ação penal, o Ministério Público Federal afirma que Lula comandava o esquema de corrupção instaurado na Petrobrás.

Durante o interrogatório, ao tratar sobre a parte da denúncia em que o MPF narra o suposto ‘comando’ dos esquemas na Petrobrás por parte de Lula, o juiz federal Sérgio Moro fez uma série de perguntas sobre o conhecimento que o petista tinha sobre as indicações de diretores à Petrobrás e a respeito dos crimes cometidos contra a estatal. O ex-presidente negou ter conhecimento dos ilícitos e de ter relação próxima com as indicações políticas na petrolífera. Ele atribuiu aos partidos políticos, bancadas partidárias, e aos ministros a função de indicar nomes, mas admitiu que tinha a palavra ‘palavra final’, já que, se fosse o contrário ‘não precisaria ter presidente’.

“A gente [os presidentes da República] não tem reunião com a diretoria da Petrobrás. Eu fui em dois momentos: Para decidir que não ia fazer leilão do pré-sal e para discutir plano estratégico. Você não tem reunião específica com diretor”.

Durante o interrogatório, o juiz Sérgio Moro questionou o petista se ele sabia dos ilícitos cometidos pelos ex-diretores da Petrobrás Paulo Roberto Costa, Renato Duque e Jorge Luiz Zelada, todos condenados no âmbito da Lava Jato.

“Nem eu, nem o senhor, nem o Ministério Público, nem a Petrobrás, nem a imprensa, nem a Polícia Federal. Todos nos só soubemos quando houve o grampo da conversa do Youssef com o Paulo Roberto”.

Como resposta, Moro afirmou que ‘indagou’ sobre o assunto porque Lula havia indicado nomes ao conselho de administração da Petrobrás. “Eu não tenho nada a ver com isso, eu não participei dessas indicações”.

Lula rebateu: “O senhor soltou o Youssef e mandou grampear. O senhor poderia saber mais do que eu….”

A denúncia do Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio – de um valor de R$ 87 milhões de corrupção – da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira por meio do triplex 164-A no Edifício Solaris, no Guarujá (SP), e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, mantido pela Granero de 2011 a 2016. O petista é acusado de lavagem de dinheiro e corrupção.

Triplex. O Edifício Solaris era da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), a cooperativa fundada nos anos 1990 por um núcleo do PT. Em dificuldade financeira, a Bancoop repassou para a OAS empreendimentos inacabados, o que provocou a revolta de milhares de cooperados. O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto foi presidente da Bancoop.

A ex-primeira-dama Marisa Letícia (morta em 2017) assinou Termo de Adesão e Compromisso de Participação com a Bancoop e adquiriu ‘uma cota-parte para a implantação do empreendimento então denominado Mar Cantábrico’, atual Solaris, em abril de 2005.

Em 2009, a Bancoop repassou o empreendimento à OAS e deu duas opções aos cooperados: solicitar a devolução dos recursos financeiros integralizados no empreendimento ou adquirir uma unidade da OAS, por um valor pré-estabelecido, utilizando, como parte do pagamento, o valor já pago à Cooperativa.

Segundo a defesa de Lula, a ex-primeira-dama não exerceu a opção de compra após a OAS assumir o imóvel. Em 2015, Marisa Letícia pediu a restituição dos valores colocados no empreendimento.

Bens. A Lava Jato afirma que a OAS pagou durante cinco anos pelo aluguel de dez guarda-móveis usados para armazenar parte da mudança do ex-presidente Lula quando o petista deixou o Palácio do Planalto no segundo mandato. A empreiteira desembolsou entre janeiro de 2011 a janeiro de 2016, R$ 1,3 milhão pelos contêineres, ao custo mensal de R$ 22.536,84 cada.

Toda negociação com a transportadora Granero teria sido intermediada pelo presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, que indicou a OAS como pagante com o argumento de que a empreiteira é uma “apoiadora do Instituto Lula.” Para investigadores da Lava Jato, os fatos demonstram “fortes indícios de pagamentos dissimulados” pela OAS em favor de Lula. Isso porque o contrato se destinava a “armazenagem de materiais de escritório e mobiliário corporativo de propriedade da construtora OAS Ltda”, mas na verdade os guarda-móveis atendiam a Lula.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.