O que significa a internet 5G para o Brasil?

O que significa a internet 5G para o Brasil?

Edmar Araujo*

18 de julho de 2022 | 04h30

Edmar Araujo. FOTO: DIVULGAÇÃO

Desde o último dia 6 de julho, a internet 5G está disponível em solo nacional. Brasília, que por muitas décadas representou a cidade dos novos idos, foi escolhida para estrear esta que é a mais moderna conexão de internet, podendo ser até 100 vezes mais veloz do que a habitual. Para termos ideia do tamanho do avanço, um filme que levaria cerca de 35 minutos para ser baixado na conexão 4G não demorará mais que 21 segundos se descarregado com conexão em 5G.

Noutras palavras, estamos a reduzir a latência, que significa o tempo gasto entre o comando e a resposta. Aquele círculo que transmite a ideia de que o conteúdo está sendo carregado está com os dias (ou segundos) contados. Vantagens em tempos de transformação digital no mundo corporativo poderão ser percebidas especialmente na qualidade das videochamadas e na exibição de conteúdos, como cursos, palestras e workshops.

Outro impacto positivo poderá rapidamente ocorrer no mercado da Internet das Coisas. Nossos assistentes, como a Alexa, já atendem a comandos de voz com extrema precisão. Agora, imagine um único comando de voz reduzir a iluminação da casa, trancar as portas e ligar o aquecedor.

Da geladeira que poderá informar que o leite está quase no fim e ela mesmo encomendá-lo no supermercado, até as janelas do quarto que poderão ser fechadas ao menor sinal de chuva, tudo poderá ser automatizado.

Tudo mesmo.

Outros setores que podem vivenciar rapidamente a revolução da 5ª geração da internet são a telemedicina e o agronegócio. Médicos poderão fazer consultas online com muito mais qualidade, bem como procedimentos especializados, como endoscopias e ultrassonografias, além de realizar cirurgias complexas com extrema conectividade, velocidade e estabilidade.

Já o agronegócio poderá beneficiar-se do 5G e, consequentemente, aumentar a disponibilidade de alimentos. Imagine que uma plantação de tomates poderá, sem intervenção humana, ter iniciada sua colheita a depender dos sinais de maturidade. Satélites, drones e colheitadeiras conseguirão estar conectados e comunicar-se entre si.

Porém, se o mar é azul, a navegação deve considerar as muitas correntes e, mais uma vez, os riscos podem estar à altura das oportunidades.

Se em alguns anos tudo poderá ser controlado à distância, ou ainda, por voz, a inovação inspira muito mais cuidado com a segurança das redes. Bandidos virtuais poderão invadir sua casa sem que para isso precisem ir até ela, já que uma conexão sem segurança significará uma residência sem fechaduras.

Estamos a falar de obrigatória revisão do uso de algoritmos e de criptografia. No Brasil, ainda se trata estas questões com determinada irresponsabilidade, e todos os dias dados pessoais vazam numa escala aparentemente incontrolável, com especial preocupação para aqueles que estão em posse dos poderes públicos.

Não estaremos a falar de informações pessoais sensíveis sendo vendidas na internet, mas de hábitos de consumo e comportamento de famílias inteiras à disposição de estelionatários, assaltantes e sequestradores.

A notícia da chegada da internet 5G é ótima.

Mas é preciso manter os olhos bem abertos sobre o comportamento de quem, por lei, tem a obrigação de nos proteger.

*Edmar Araujo, presidente executivo da Associação das Autoridades de Registro do Brasil (AARB). MBA em Transformação Digital e Futuro dos Negócios, jornalista. Membro titular do Comitê Gestor da ICP-Brasil

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.