“O que pode haver mais em um beijo, senão afeto?”, diz OAB em Tocantins

“O que pode haver mais em um beijo, senão afeto?”, diz OAB em Tocantins

Entidade dos advogados classificou como desproposital a nota da Frente Parlamentar Evangélica do Congresso que repudiou cena de novela

Redação

01 Abril 2015 | 11h35

Por Julia Affonso

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Tocantins classificou como ‘desproposital’ a nota de repúdio da Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional ao beijo protagonizado pelas atrizes Fernanda Montenegro e Nathália Timberg no primeiro episódio da novela Babilônia, da Rede Globo, exibido no dia 16 de março.

“É um despropósito, porque temas importantes para apreciação e debate dos nobres parlamentares não faltam, como o problema grave na saúde, segurança pública, etc. A OAB/TO, além de suas prerrogativas, luta por uma sociedade igualitária e justa, com respeito aos direitos humanos e à cidadania, inclusive das pessoas LGBT. Afinal, o que pode haver mais em um beijo, senão afeto?”, pondera a nota assinada pelo presidente da Comissão de Igualdade da OAB/TO, Silvanio Mota.

Nathália Timberg e Fernanda Montenegro durante a novela. Foto: Reprodução TV Globo

Nathália Timberg e Fernanda Montenegro durante a novela. Foto: Reprodução TV Globo

O texto dos parlamentares foi assinado pelo deputado João Campos (PSDB-GO), presidente da Frente. Segundo ele, a novela tem a “clara intenção de afrontar os cristãos”.

O deputado classificou o beijo gay como um “modismo” .”Essa é a forma encontrada para disseminar a ideologia de gênero, atacando diretamente a família natural.” A Frente fez uma “convocação” a todos os evangélicos para não que assistam à novela global e recomendou os fiéis a não consumirem os produtos ali anunciados.