O que esperar do marketing em 2021?

O que esperar do marketing em 2021?

João Diogo*

24 de outubro de 2020 | 03h30

João Diogo. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Não é mais novidade para ninguém que 2020 revolucionou o mercado corporativo mundial. Aqueles tradicionais conceitos e tendências foram postos à prova e novas oportunidades e desafios estão surgindo. Arrisco dizer que as mudanças de comportamento dos consumidores e a forma que estão consumindo produtos e informações, foram um dos mais impactados nestes últimos meses e essas transformações vieram para ficar. Lembrando que essas mudanças a cada minuto estão se redefinindo. Estamos correndo contra o tempo.

Mas, o que esperar de 2021? Talvez esta seja a pergunta de 1 milhão. O que podemos concluir é que o mercado está começando a reaquecer, e este é o momento das empresas colocarem em prática os principais aprendizados que 2020 vai nos deixar. Entendendo a nova relação entre companhia e consumidores e restabelecendo novos valores, oferecendo não só produtos e serviços, mas também experiências que gerem memória afetiva às marcas e às companhias.

O marketing tem o papel fundamental neste quesito, e tem se desenvolvido cada vez mais com a ajuda das tecnologias. Neste artigo, mais do que reforçar os benefícios de um marketing bem executado pelas companhias, meu objetivo é mostrar como esta área alinhada as tecnologias pode ser uma ferramenta ainda mais poderosa para as empresas.

A Inteligência Artificial, por exemplo, permite que os profissionais de marketing criem experiências de consumo altamente personalizadas que custam significativamente menos do que as campanhas tradicionais de alto valor. A ferramenta ainda analisa dados em uma escala impossível para um ser humano, possibilitando saber ​​com precisão qual mensagem atrai o indivíduo desejado. Além de padronizar a comunicação, dialogar com os consumidores em tempo real, apresentando a solução exata para aquilo que estão procurando.

Outra tendência é o Design Thinking, com certeza esse é uma metodologia que veio para ficar. Este processo possibilita analisar de forma mais empática as necessidades dos consumidores, de acordo com a percepção de diferentes áreas da empresa. Isto permiti que as companhias descubram formas inovadoras de atender às necessidades dos clientes com maior eficiência no uso dos recursos.

Já o Business Intelligence possibilita a visualização de dados em caráter histórico, atual e preditivo das operações de negócios. Permitindo que a área de marketing, por exemplo, aja de forma ainda mais estratégica, aumentando as chances de reagir rapidamente as mudanças no mercado.

Estas com certeza são só algumas das ferramentas que este segmento pode usar. Mas, meu objetivo em contextualizá-las não é influenciar sobre qual é a melhor ou os seus benefícios, minha intenção aqui é abrir os olhos dos profissionais e empresas sobre uma infinidade de possibilidade e novos caminhos que a tecnologia está trazendo para este segmento.

Pensar linearmente não é mais possível, independentemente da área ou do porte da companhia. E 2020 veio para reforçar isso, as empresas que não estão preparadas para as tecnologias ou ainda não mudaram esta chavinha precisam fazer isso agora. Ainda faltam três meses para o final do ano, por que não começar hoje?

*João Diogo, gestor da HSM University Code School

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.