‘O presidente jamais deveria ter indicado um interlocutor para um fanfarrão delinquente’, diz OAB

‘O presidente jamais deveria ter indicado um interlocutor para um fanfarrão delinquente’, diz OAB

Claudio Lamachia, presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, avalia que Temer não poderia ter escalado deputado aliado Rocha Loures (PMDB/PR) para atender executivo da JBS

Luiz Vassallo, Julia Affonso e Fausto Macedo

22 de maio de 2017 | 17h00

Rodrigo Rocha Loures. Foto: Brizza Cavalcante / Agencia Câmara

O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Claudio Lamachia disse nesta segunda-feira, 22, que o presidente Michel Temer ‘jamais deveria ter indicado um interlocutor para um fanfarrão delinquente’.

Lamachia se referiu a dois personagens emblemáticos da Operação Patmos, desdobramento da Lava Jato – o executivo Joesley Batista, da JBS, e o deputado Rocha Loures (PMDB/PR).

Ao defender o impeachment de Temer, seguindo decisão quase unânime das bancadas da Ordem – 25 votos a um -, o presidente da entidade máxima da Advocacia relembrou o fato de Temer ter indicado Rocha Loures, seu antigo aliado, para tratar de assuntos de interesse de Joesley.

O empresário gravou conversa com Temer na noite de 7 de março no Palácio do Jaburu. O áudio revela Temer dizendo ‘ótimo, ótimo’, quando Joesley relata supostos delitos como o pagamento de mensalinho a um procurador da República e mesada milionária para Eduardo Cunha (PMDB/RJ), em troca do silêncio do ex-presidente da Câmara, preso na Lava Jato desde outubro de 2016.

A defesa de Temer afirma que o áudio foi manipulado, adulterado. O presidente classificou Joesley como ‘fanfarrão, delinquente’.

Na conversa com Joesley, o presidente teria indicado ao empresário que procurasse Rocha Loures como ‘interlocutor’ para atender interesses do grupo.

Loures foi seguido e filmado pela Polícia Federal. Os agentes o flagraram correndo pela Rua Pamplona nos Jardins, em São Paulo, no dia 24 de abril, carregando uma mala com R$ 500 mil em dinheiro vivo.

“Em minha avaliação, o presidente jamais deveria indicar um interlocutor para um fanfarrão ou para alguém que sabe ser delinquente”, criticou Lamachia durante entrevista coletiva em que detalhou o pedido de impeachment de Temer.

A denúncia deverá ser protocolada na Câmara pela OAB até quarta-feira, 24.

COM A PALAVRA, MICHEL TEMER

“A OAB tem o pleno direito de expressar sua opinião. No entanto, o caso não se concretizou. Prova disso são as empresas do sr. Joesley que não conseguiram nenhum benefício junto ao Cade”, informou a Secretaria de Comunicação da Presidência.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.