O Plano A

O Plano A

Cassio Grinberg*

27 de janeiro de 2021 | 08h00

Cassio Grinberg. FOTO: DIVULGAÇÃO

Estamos acostumados a nos preocupar em ter um Plano B, mas a verdade é que ninguém sobrevive sem um Plano A.

O Plano A é desbravar, caminhar no desconhecido, dançar: ora com a meta, ora com a esperança. O Plano B é um plano de perguntas e, muitas vezes, de perguntas erradas: e se acontecer isso?, e se chegarmos tarde?, e se der errado? — um plano de desculpas.

O Plano A não faz tantas perguntas. Quando pergunta, pergunta “e se der certo?”.

Plano A é Plano Estratégico. Plano A é plano de vida. Plano A é apostar alto, é all in, é pagar o preço.

O problema do Plano B é o mesmo problema do jogador ruim: se estiver no plantel, treina. Se treinar, escala. Se escalar, farda. Se fardar, joga.

Walt Disney desenhou a Branca de Neve sem um Plano B. Steve Jobs inventou o iPhone sem um Plano B. Tom Jobim compôs Wave sem um plano B. Garrincha não combinou com os russos, por isso não tinha um Plano B.

Fique longe de quem sempre pergunta a você por um Plano B, mas nunca pelo Plano A.

Faça seguro de vida, mas não faça tantos planos B: a gente fica mais comprometido e focado. Afinal, muitos sobrevivem sem um Plano B, mas ninguém sobrevive sem um Plano A.

*Cassio Grinberg, sócio da Grinberg Consulting e autor do livro Desaprenda – como se abrir para o novo pode nos levar mais longe

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.