O papel dos investimentos na independência financeira

Flora Damin*

18 de agosto de 2021 | 04h30

Alcançar a tão sonhada independência financeira é a meta de praticamente todo investidor. E, ainda que os motivos para cada um deles desejar essa condição sejam diferentes, é fato que ela traz, entre outros benefícios, a possibilidade de levar uma vida mais confortável, com menos preocupações relacionadas a dinheiro e mais tempo livre para focar nas atividades que trazem a sensação de realização pessoal.

Muitos acabam confundindo esse conceito com o termo “liberdade financeira”, mas vale destacar que eles significam coisas distintas. O segundo diz respeito à chegada em um patamar onde é possível tomar decisões econômicas com mais tranquilidade e as apreensões excessivas com o capital tendem a diminuir. Mas, para conquistar esse nível, é preciso ter uma vida financeira organizada, que permite a criação de uma poupança, já que a meta aqui é a concentração de patrimônio.

Já com a autonomia financeira há o acúmulo de quantias suficientes para gerar uma renda mensal que sustente todas as suas despesas e necessidades. Em outras palavras, a grande diferença está no fato de que é o seu dinheiro que trabalha por você, e não o contrário. Não há a dependência de uma fonte de faturamento ativa, pois é a sua fonte passiva que te permite alcançar esse estágio.

Muitas pessoas acreditam que é praticamente impossível ser independente financeiramente no mundo que vivemos e com a conjuntura econômica atual. E os dados sobre o mercado chegam a indicar que essa pode realmente ser uma realidade mais distante e difícil de atingir. De acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2020 o PIB per capita do Brasil foi de R$ 35.172, registrando um recuo de 4,8%. Com valores tão baixos, de fato fica mais complicado economizar e reservar um montante no final do mês destinado a realizar esse sonho.

Mas, para ter mais chances de chegar nesse patamar, é preciso se educar financeiramente e resolver algumas situações que podem estar desvirtuando do caminho desejado. Um dos pontos mais importantes para isso é se livrar de todas as dívidas, pois elas limitam a capacidade de separar uma quantia que possa ser usada para empregar o dinheiro.

E os investimentos são a grande chave para conquistar esse objetivo, pois são eles que vão permitir que o seu capital se multiplique “sozinho”. Quem sabe economizar, mas não sabe investir, provavelmente está mais longe desse cenário.

Por isso, acredito que todas as pessoas, tendo a possibilidade, deveriam buscar mais informações sobre as aplicações e entender exatamente qual é o seu perfil de investidor. Pois se já existem alternativas que são efetivas na criação de uma renda passiva, está mais do que na hora desse conhecimento ser popularizado, chegando a públicos que podem se beneficiar positivamente das vantagens de ter independência financeira e, consequentemente, mais qualidade de vida.

*Flora Damin é Partner and Investor Relations da Pandhora Investimentos

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.