O papel do líder em um ambiente de incertezas: conectar pessoas

O papel do líder em um ambiente de incertezas: conectar pessoas

Itamar Serpa*

22 de agosto de 2021 | 06h30

Itamar Serpa. FOTO: DIVULGAÇÃO

Ser líder em momento de pandemia tem o papel desafiador de ser um conector de pessoas. A capacidade e velocidade de se adaptar às novas situações, além de criar e manter vantagens competitivas sob o ponto de vista da necessidade e desejos dos clientes é peça fundamental para o sucesso dos negócios.

A principal missão de um líder é influenciar e estimular o aprendizado constante dos liderados promovendo conexões e experiências – tudo com muito treinamento. Construir um ambiente de trabalho com equipes de alto desempenho, promovendo assim novas conexões, é um obstáculo que só é transpassado ao admitir a necessidade de reescrever o futuro automático, que proporciona redirecionar os objetivos, adotando uma linguagem futurista, declarativa e de alto desempenho.

Um bom líder situacional dá reconhecimento, autonomia, autoridade e independência aos seus colaboradores. É importante demonstrar confiança e dar desafios! Mas é importante salientar: a comunicação deve ser de mão dupla! O líder deve incentivar o seu liderado a ouvir, falar e agir com compromisso.

De acordo com estudo realizado pela Gallup, empresa de pesquisa norte-americana,  o líder influencia 70% no engajamento dos colaboradores com o negócio, porém a grande maioria dos gestores não está preparado ou sabem como liderar conectando colaboradores.

Destaque hoje em dia para um dos modelos de liderança mais utilizados: a situacional. Nesse modelo, a orientação do time nas decisões corretas é feita de modo personalizado, com base em informações relevantes e diversas. Essa teoria surgiu nos anos 60, proposta pelo cientista comportamental Paul Herseye pelo consultor de negócios Ken Blanchard.

Nessas situações, os liderados sentem menos tensão e percebem o líder mais receptivo para novas ideias, interessado no aprendizado do colaborador e seu desenvolvimento. Nesse caso, o líder é considerado habilidoso e em um ambiente de confiança, transparente e com alta integridade dos seus pares.

Nas empresas que adotam esse modelo, os resultados são elevados: os colaboradores apresentam melhora nas vendas e lucros, além da diminuição de acidentes e reclamações dos clientes e fortalecimento do trabalho em equipe.

É muito importante salientar que o líder deve ser mais enérgico no momento que precisa, além de elogiar quando necessário e cobrar quando for oportuno. Dependendo da situação, ele pode ser mais democrático ou autocrático.

Os impactos causados pela pandemia do Covid-19 mostram o quanto um líder situacional pode funcionar bem em diversos momentos. Nesse momento tão desafiador, o papel do líder conector é fundamental em tempos de incertezas.

*Itamar Serpa, presidente e fundador da Embelleze

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.