O papel da biblioteca escolar na educação básica

O papel da biblioteca escolar na educação básica

Lucimara Soriano*

19 de fevereiro de 2022 | 07h00

Biblioteca na escola estadual República da Venezuela II, em Guarulhos. FOTO: TABA BENEDICTO/ESTADÃO

A importância da leitura é indiscutível quando o assunto é educação. Afinal, mesmo com o surgimento de tantas novidades tecnológicas, os livros continuam sendo uma ferramenta essencial para o processo de ensino, aprendizagem e a formação dos estudantes.

Nesse sentido, a Biblioteca Escolar exerce um papel fundamental para engajar os alunos no despertar da leitura e na formação do leitor. Por meio de diferentes atividades, a Biblioteca pode servir como apoio ao professor em suas diferentes práticas pedagógicas.

A seguir, elencamos algumas estratégias que o professor pode promover, em parceria com a Biblioteca Escolar, para engajar seus alunos na leitura durante a Educação Básica, desde a Educação Infantil.

  • Incentivar visitas periódicas à Biblioteca, com a finalidade de apresentar diferentes portadores de texto de vários gêneros literários;
  • Proporcionar momentos de encantamento das crianças com os livros, apresentando a obra de uma forma diferente, conversando sobre o autor, propondo a teatralização dos textos, fazendo debates, adotando atitudes e posturas que criem afinidade entre livro e leitor;
  • Contar histórias para os pequenos;
  • Mostrar os livros às crianças, contando parte do enredo e criando suspense sobre o desenrolar dos acontecimentos, aguçando a curiosidade do leitor;
  • Incentivar concursos de leitura e premiação de leitores;
  • Fomentar projetos culturais que incentivem a leitura, como momentos de bate-papo com a presença de autores, Feira de Livros, Sarau Lítero-Musical, Dia do Livro, Dia da Poesia e outros projetos envolvendo a proposta pedagógica da escola;
  • Proporcionar condições para que os alunos experimentem a leitura por meio de diferentes materiais, que vão muito além dos formatos mais tradicionais;
  • Explorar a tecnologia como fator de favorecimento, recorrendo a aplicativos móveis, grupos de leitura no Facebook, postagens interessantes nas mídias sociais, leitura de blogs, jogos educativos e vídeos que analisam obras literárias.

Esses são alguns exemplos de como envolver os alunos na leitura, permitindo também que o professor se aproxime mais dos estudantes.

A tecnologia também traz novas formas de explorar e conhecer obras antes inacessíveis, como por exemplo:

  • O Domínio Público, que dá acesso a diversos títulos livres de direitos autorais em português;
  • O Project Gutemberg, que fornece e-books gratuitos em diversas línguas;
  • O Gallica, portal da Biblioteca Nacional da França, que conta com livros, manuscritos, imagens e documentos históricos de livre acesso.

O importante é saber que, para que a criança desenvolva desde cedo o hábito e o gosto pela leitura, é preciso que ela tenha sido exposta aos livros, e veja exemplos de leitores por onde passa. A criança aprende pelo exemplo, e professores leitores geralmente são bons incentivadores da leitura.

Em casa, os pais também podem — e devem — colaborar, realizando a leitura junto com os filhos para que vejam essa prática como algo que faz parte de sua rotina, como uma atitude natural. O prazer de ler um livro também está muito ligado à relação que os pais constroem com seus filhos, como o hábito de ler um livro para a criança antes de dormir, a conversa sobre livros que já leram ou que gostariam de ler.

É importante salientar que a leitura gera reflexões, interação e crescimento intelectual. Daí a importância dessa prática no cotidiano escolar. Professores de todas as áreas devem incentivar a leitura e tratá-la como pré-requisito essencial para a aquisição de novos conhecimentos, pois é por meio dela que os alunos estudam e se aprofundam nos assuntos de seu interesse, tanto na escola quanto fora dela.

*Lucimara Soriano é bibliotecária do Colégio Presbiteriano Mackenzie Tamboré

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.