O país dos ministros

O país dos ministros

João Linhares*

18 de outubro de 2020 | 05h30

João Linhares Júnior. FOTO: DIVULGAÇÃO

Há ministros em todos os setores,

Os que auxiliam dentro do país

E os exteriores.

Existe ministro de múltiplo matiz.

Há ministros no Supremo,

No Poder Executivo

E nos demais tribunais como o STJ,

Só não os há no Legislativo.

 

Há ministros para todos os gostos:

Para o inteligente, para o esperto e o poliglota;

Para o ignaro, para o ingênuo

E outrossim para os toscos.

Há ministro erudito,

Que recita autores como Dante;

Uns que não colmatam esse quesito.

E outros que incorrem em erros crassos: “imprecionante”!

 

Existem os que são exímios em diversos idiomas

E os que são autores de analectos,

Bem como os que nada entendem sobre axiomas.

E há ministro semianalfabeto!

Há ministros propedeutas,

Que prestigiam o intelecto,

Dedicam-se à hermenêutica,

E agem de modo circunspecto.

 

Há ministro mordaz,

Que aprecia um repto,

Ministro com argumento fugaz,

E o que é introspecto.

Há uns polidos e geniais!

A grande parte é de civis,

Entretanto há também os ministros generais.

Há os pouco cordatos e hostis.

 

Há ministros que saem do cargo, fazendo alarde e increpações.

Outros agem como abade e adulam o chefe

E bradam que as invectivas são meras ilações.

Seria tudo um blefe!

 

Há os que são probos e coerentes,

Trabalhadores, sábios e sutis.

Os que são proficientes

E aqueles que sofrem diatribe,

Ataques inclementes,

E há ministro que a proíbe.

 

Existe ministro boquirroto.

Há outros que usam o cargo inadequadamente.

Existem ainda aqueles que pugnam pela liberação da maconha e do aborto.

Há ministro respeitadíssimo!

E o que tem fama de indecente…

Os que têm ojeriza a certos temas e os que creem no ativismo.

 

Há ministros sem seguir lógica alguma

E ministros que são coerentes!

Há ministro muito questionado,

Sobretudo quando contraria o governo,

Declarando leis e atos inconstitucionais,

Sem meio-termo.

E outros por exarar decisões pontuais,

Beneficiando criminoso perigoso e contumaz.

 

Alega-se, amiúde, invasiva e monocrática canetada.

E existem aqueles que entraram para os anais,

Pois impedidos pela vicissitude, de tomar posse na esplanada.

Há ministro que afasta, sozinho, até governadores

Isso gera apoio de carrada

E também muitos detratores.

 

Alguns sustentam que é pouco prestigiada a colegialidade

E, nos debates, que haveria assaz interesse e vaidade…

Há ministros que, nos seus votos, emanam profícuos sinais:

Respeito à democracia e à liberdade de expressão!

E ainda aos desiguais,

Ao meio-ambiente, ao pluralismo e à educação.

 

Os que laboram com afinco

No asseguramento dos direitos individuais.

E há aqueles que almejam o AI5.

 

Há ministros que a todos inspiram,

Outros que são deveras decepcionantes.

Há ministros que ódio destilam;

Estes entrarão para o rodapé do tempo, efêmeros instantes…

Há ministros que apreciam a paz, adotando-a como critério!

E os que da justiça e da sabedoria são amantes.

Há ministro com concepção cerebrina

E outros cujos méritos distantes

Parecem ser alienantes:

Defender a cloroquina e tomar tubaína.

E você, já tem o seu ministério?

*João Linhares Júnior, promotor de Justiça do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, atuante em Dourados. Mestre em Garantismo e Processo Penal pela Universidade de Girona (Espanha) e pós-graduado em Jurisdição Constitucional e Direitos Fundamentais pela PUC-RJ

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: