O mundo volta a falar do Lula condenado

O mundo volta a falar do Lula condenado

Veículos mais prestigiados da imprensa internacional, que já haviam noticiado a condenação, em primeira instância, proferida pelo juiz federal Sérgio Moro, em setembro de 2017, voltam a cobrir o caso, agora com a sentença confirmada pelo Tribunal da Lava Jato

Luia Vassallo e Julia Affonso

24 Janeiro 2018 | 19h57

BBC, El País, Washington Post, New York Times… os principais veículos ao redor do mundo estão repercutindo a condenação, em segunda instância do ex-presidente Lula. A maior parte, com o foco nas eleições de 2018, menciona a possibilidade de a decisão do Tribunal da Lava Jato ter enterrado a carreira política do petista. A possibilidade de prisão para execução de pena, pela força de recursos que restam ao petista junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, também é citada pelos jornais estrangeiros.

Segundo o New York Times, destacou o ‘duro revés’ do ex-presidente, após sua condenação em segunda instância, ‘na briga por um terceiro mandato. “A decisão é uma vitória para os promotores no que provavelmente é o caso de um dos maiores embates entre o Judiciário brasileiro e a classe política”.

Ainda o jornal norte-americano diz que ‘Lula é visto pelos procuradores como uma das figuras importantes na corrupção endêmica brasileira’.

Já o El País traz na capa de seu portal a manchete sobre a condenação de Lula. O jornal espanhol, no entanto, chama a atenção para o fato de que a ‘imagem de Lula entrando em cárcere está um pouco mais próxima’. O periódico ainda ressalta que o mercado entrou em polvorosa com a condenação do petista. ‘A Bolsa de Valores de São Paulo disparou’, diz o jornal.

A BBC, por exemplo, afirma que Lula ‘perdeu apelação contra condenação por corrupção’. A emissora, em seu portal na internet, afirma que a condenação pode ter tirado o ex-presidente de uma disputa pela presidência.

Na mesma linha, o The Washington Post afirma, logo em sua manchete sobre o caso, que a condenação ‘potencialmente acaba com a carreira política de Lula’.