‘O mundo não é maniqueísta, exceto o Fla-Flu’, afirma Torquato, ao negar resposta sobre troca na PF

‘O mundo não é maniqueísta, exceto o Fla-Flu’, afirma Torquato, ao negar resposta sobre troca na PF

Novo ministro da Justiça esquiva-se de perguntas sobre eventual substituição do comando da Polícia Federal, braço decisivo da Operação Lava Jato

Da Redação

31 de maio de 2017 | 16h57

O novo ministro da Justiça, Torquato Jardim, afirmou, nesta quarta-feira, 31, que somente falará em possível troca na cúpula da Polícia Federal após pelo menos três meses, quando ele deverá ter feito uma análise da ‘operacionalidade’ da corporação.

É grande a expectativa em torno de eventuais mudanças na cúpula da PF, inclusive do seu diretor-geral Leandro Daiello, no cargo desde 2011.

Torquato se negou a responder se não está descartada uma eventual troca do diretor. “Não cabe essa resposta. Eu disse várias vezes, vamos conversar. Viajar juntos, conversar sobre a Policia Federal para que eu conheça o ambiente a a operacionalidade.”

“O mundo não é maniqueísta, preto e branco, sim ou não. Exceto Fla x Flu”, afirmou o ministro ao rejeitar responder se cogita a troca de cargo.

Pouco depois de ser indicado, o ministro chegou a declarar que vai ‘avaliar’ mudanças na Polícia Federal. Ele assumiu o cargo no lugar de Osmar Serraglio, por decisão do presidente Michel Temer, neste domingo, 28.

O ex-chefe da pasta era considerado ‘fraco’ pela base aliada do governo. A troca no Ministério foi alvo de críticas de delegados de Polícia Federal que se declararam ‘preocupados’ com uma eventual ofensiva para enfraquecer a corporação e a Lava Jato.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.