O mundo está decadente?

O mundo está decadente?

José Renato Nalini*

02 de maio de 2021 | 12h30

José Renato Nalini. FOTO: IARA MORSELLI/ESTADÃO

Há uma sensação, em grande parte do mundo, de que estamos decaindo. Isso porque o paradoxo entre as conquistas científico-tecnológicas e o aumento da miséria e da desigualdade, escancarou-se com a pandemia. O tecnicismo, o apego ao moderno, ao up-to-date, relegou a preocupação com o espírito e a cultura para um lugar insignificante nos debates contemporâneos.

Essa percepção não é de hoje. Wittgenstein enxergava a situação com certo otimismo: “Disse um dia, e talvez estivesse certo: da antiga cultura só restará um amontoado de escombros, e para terminar, um amontoado de cinzas, mas haverá espíritos que flutuem sobre essas cinzas”.

Os escombros e as cinzas são visíveis. Mas quais os espíritos que estariam flutuando sobre tudo isso?

O debate que atrai atenção generalizada é muito pobre. Na verdade, fica na superfície de questões medíocres: alguém disse algo que causou reação nas redes sociais. Assuntos menores, triviais, aquilo que os americanos chamam “gossips” e nós chamamos “fofoca” ou “diz-que-diz”.

Há artigos mais consistentes. Estes não chegam ao grande público. É porque estamos num país de iletrados? Estamos em fuga, aterrorizados em virtude da pandemia, não queremos mergulhar em coisa séria?

O Brasil sempre teve uma elite intelectual que oferecia projetos, fazia diagnósticos, motivava discussões, propunha a arregimentação de pessoas para um protagonismo transformador.

Onde está a Academia? Falta liderança cultural que galvanize todos os talentos, assim como não está surgindo a terceira via para a política?

Paul Valéry escreveu que estamos entrando no futuro de costas. Qual é o futuro do planeta? O futuro se circunscreve às certezas científicas. Faz-se um prognóstico ou uma profecia meramente técnica.

Os vaticínios são nessa linha: a inteligência artificial talvez seja a última invenção humana. A partir daí, ela própria cuidará de inventar o que vier a ser necessário ou resultar de sua iniciativa, sem a participação de qualquer inteligência dos homens.

Haverá uma relação direta entre cérebros, mediante a conexão de um cérebro a vários outros. Isso reside no campo da neurociência da interação social. Mas onde estão os filósofos, para ofertar um quadro menos tétrico para esta humanidade que permanece a ser cruel com o único habitat disponível, este combalido planeta, inclemente em relação aos excluídos, aos invisíveis, aos despossuídos?

Será que elucubrar sobre as próximas eleições, acompanhar o dia-a-dia de políticos, ecoar suas frases, é mais importante do que tentar cuidar das diversas patologias da sociedade humana?

Como fazer com que o governo sirva ao povo e não se sirva do povo? Prosseguiremos a acompanhar o crescimento atípico das estruturas estatais, o aumento do gasto com o seu sustento, a manutenção de Fundos Partidário e Eleitoral, a preservação da mais iníqua tributação, paralela a um endividamento suicida?

Onde estão os modelos para uma educação que substitua as insossas aulas prelecionais, que – em regra – pouco atraem crianças e jovens, muitos deles millenials, com excepcional desenvoltura para manejar as bugigangas eletrônicas, onde encontram informações mais atualizadas, coloridas e sonoras?

Como fazer com que as descobertas e funcionalidades das tecnologias cheguem a todos os humanos, contribuindo para a equânime disseminação da ciência e, ao final, humanizando o convívio?

Há muita “carreira solo”, de intelectuais que escrevem, publicam, dão azo à sua imaginação. Mas não existe uma coordenação capaz de elaborar um projeto de futuro para a humanidade. Não as megatendências norte-americanas, que têm expertise para detectar o que acontecerá com a economia, com a ciência, com a tecnologia. Mas algo que tentasse ingressar num território fluido, que é saber o que será o ser humano daqui a cinquenta anos. A humanidade vai se aprimorar, ou vai continuar a ser um mosaico de distinções, cada vez mais acentuadas, contribuindo o “progresso” para aprofundar o fosso entre incluídos e definitivamente excluídos?

Há lampejos de inteligência acesos aqui e ali. Mas uma vela só, não reduz a escuridão reinante. Haverá alguma possibilidade de reunir todas elas, iluminando o pensamento para viabilizar a caminhada pela selva ignara da insensibilidade e do imediatismo egoístico?

Não é só o ambiente natural que pede socorro. O ambiente moral também precisa de cuidados. Quem se habilita a propiciá-los?

*José Renato Nalini é reitor da Uniregistral, docente da pós-graduação da Uninove e presidente da Academia Paulista de Letras – 2021-2022

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoJosé Renato Nalini

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.