O mercado de estética em destaque

O mercado de estética em destaque

Denis Regis*

01 de dezembro de 2020 | 03h15

Denis Regis. FOTO: DIVULGAÇÃO

O mercado brasileiro de beleza apresenta crescimentos anuais que impressionam. Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, este é um segmento que não respeita crises. Apesar de estarmos enfrentando desde 2013 desafios na economia e na política, o mercado de consumo de produtos de higiene, beleza e bem-estar cresce de forma robusta.

O Brasil ocupa a 4ª posição global no mercado de consumo de beleza e estética com gastos anuais aproximados de 30 bilhões de dólares. Somos o 3º colocado em gastos per capta, atrás apenas dos Estados Unidos e do Japão, de acordo com Euromonitor 2019.

Em meio a uma profusão de produtos, procedimentos e tecnologias, observa-se investimentos cada vez maiores, inclusive, por meio de captações de fundos internacionais interessados no consumo brasileiro da beleza. Apesar desta variedade da oferta, é necessário separar o joio do trigo, já que são muitas as ofertas vazias. Existem no mercado procedimentos de alta qualidade, capazes de aliar tecnologia e inovação, e o consumidor precisa ter informação suficiente para tomar decisões acertadas.

Além deste ponto há ainda uma percepção enviesada sobre os padrões de beleza, muitas vezes intangíveis ou incompatíveis com a realidade. Neste sentido, tratamentos tecnológicos não invasivos e de alto desempenho oferecem uma beleza natural que pode trazer satisfação real e duradoura. O conceito de skincare avança como uma das maiores tendências quando o assunto é beleza natural.

O autocuidado, especialmente com a pele, tem total foco no bem estar, elevando a autoestima sem intervenções invasivas. A pandemia de COVID-19 acelerou uma série de micro tendências relacionadas ao bem-estar. Princípios básicos de saúde e prevenção de doenças ocuparam uma posição de prioridade, promovendo o conceito de que estar bem é sentir-se bem.

Nesse ritmo, a utilização de tecnologias não invasivas nos últimos anos vem revolucionando o segmento de tratamentos estéticos. O comportamento de consumo pós-pandemia será capaz de acelerar a busca pelo bem estar promovido por meio do conceito de beleza natural. Este, por sua vez, resultado da saúde da pele. Muitas pessoas já perceberam o valor de cuidar da pele cada vez mais cedo, prevenindo o envelhecimento e estabelecendo o tempo da beleza natural.

*Denis Regis, CEO da MedSystems

 

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.