O luto politizado e desumano das redes sociais

O luto politizado e desumano das redes sociais

Patricia Alves*

19 de maio de 2021 | 04h00

Patricia Alves. FOTO: ANGELO PASTORELLO

A história parece se repetir e escancarar a falta de decência, respeito e ética que permeiam as redes sociais atualmente.

Qualquer um que tenha um “zilhão de seguidores” se sente no direito de noticiar ou espalhar fake news que em alguns segundos são compartilhadas sem qualquer medida.

Informação é coisa séria e se torna ainda mais séria quando envolve a morte ou o estado de saúde de alguém.

Este tipo de notícia deve ser restrita a jornalistas com o mínimo de formação, moral e humanidade, que jamais noticiariam o luto de uma personalidade pública sem antes aguardar o comunicado oficial da assessoria do hospital e após o devido consentimento da família.

Na última sexta-feira assisti estarrecida a quantidade de informações publicadas por pseudo influenciadores que publicaram antecipadamente a morte do prefeito Bruno Covas.

Não é mérito ou “furo” noticiar primeiro a descoberta de uma doença ou a partida de alguém. Além de um homem público existe um pai, um filho, um amigo e uma família destroçada por uma doença avassaladora.

Nada que traga tamanho sofrimento vale um like, um link ou um furo de reportagem.

É urgente e necessário que as redes sociais punam severamente pessoas que espalham informações sobre morte, vacina e saúde de forma rigorosa para que isto não aconteça mais. Estes disseminadores de “FAKE NEWS” quando perguntados sobre a fonte de informação sempre se esquivam ou falam que foi uma “fonte de dentro do hospital” ou colocam a culpa na grande mídia que só vai noticiar quando for conveniente.

Não, “a grande mídia” em sua maioria é ética, humana, checa cada fato com seriedade e ao contrário de influencers abutres não publica boatos, vive de fatos. E neste caso há algo que sobrepõe qualquer informação.

Do outro lado há um ser humano que merece ter seus últimos momentos preservado ao lado dos seus.

*Patricia Alves é diretora da Patwork, faz parte do Comitê de Comunicação da LoveTogether Brasil, é conselheira da ONG Aliança Solidária. Jornalista graduada pela FMU de São Paulo e pós-graduada em Comunicação Coorporativa pela Fundação Casper Líbero. Repórter de TV no programa Empresários de Sucesso da Band News, Band Internacional e canal Terra Viva e colunista de lifestyle da revista Mensch

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.