O legado da crise para os meios de pagamentos digitais

O legado da crise para os meios de pagamentos digitais

Betina Wecker*

21 de novembro de 2020 | 04h00

Betina Wecker. FOTO: DIVULGAÇÃO

No ano em que a maioria das empresas e setores sentiram na pele o medo de um futuro totalmente novo e incerto, nós do e-commerce tivemos que nos adaptar rapidamente às crescentes consideráveis dentro do setor, o que nos trouxe também muitas reflexões e aprendizados.

Ficou claro o quanto a crise só antecipou algo que já estava predestinado a acontecer dentro das companhias, a transformação digital. Em uma sociedade, onde quase tudo pode ser feito pelo smartphone ou pela internet, as pessoas começaram a confiar no e-commerce de forma natural, já que este passou a ser o único meio de consumo da grande maioria, o que explica totalmente sua relevância em 2020.

A dúvida é: o que levaremos como legado? Sabemos que os consumidores mais resistentes, que nunca haviam adquirido nenhum produto pela internet, acabaram se vendo obrigados a ceder em determinados momentos, seja pela necessidade da compra on-line de um remédio, itens de supermercados, roupas ou algo para a casa, e ainda que de forma terceirizada por intermédio de alguém da família, a experiência existiu, deixando impressões concretas sobre o uso da tecnologia em algo que antes era feito apenas de forma presencial.

Será que, em 8 meses, foi possível fidelizar esses mais de 35% brasileiros (dados da Go2Mob) que começaram a comprar on-line durante a pandemia? Será que o setor soube conquistá-los pela segurança e praticidade que o e-commerce deve trazer? A verdade que ninguém se atenta é que por trás das lojas, estão os meios de pagamentos digitais que mais do que nunca são imprescindíveis no controle de fraudes, pois são eles a ponte segura entre o cliente e a empresa.

Mas, não é só isso. Olhando para o mercado é preciso lembrar que os meios de pagamentos digitais também são responsáveis pelo crescimento de muitas empresas, devido suas soluções e táticas que podem garantir o aumento do ticket médio, além de controlar outros fatores. De fato, um dos principais desafios tem sido mostrar aos novos clientes o porquê é seguro fazer tal transação e as diversas soluções que o mercado possui para sanar qualquer ocorrência.

Acredito que as transformações implantadas em 2020 seguiram numa crescente ainda maior nos próximos anos, pois tanto o consumidor, quanto as empresas, puderam entender que o alinhamento entre o físico e o online só apresentam benefícios e praticidade para todos. E, se tratando do e-commerce e meios de pagamentos digitais, confiança, segurança e modernidade são os três principais pilares que podemos levar como herança de aprendizagem da pandemia que causou a principal crise econômica de 2020.

*Betina Wecker, cofundadora e diretora de operação na Appmax. Membro do Programa Scale Up da Endeavor e do Ciclo Empreendedor

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.