O grito de guerra de Laurita contra a corrupção

O grito de guerra de Laurita contra a corrupção

Em seu discurso de posse na Presidência do Superior Tribunal de Justiça, ministra Laurita Vaz alerta para os elevados índices de malfeitos e diz que 'ninguém mais aguenta tanta desfaçatez, tanto desmando, tanta impunidade'

Fausto Macedo e Julia Affonso

02 de setembro de 2016 | 15h46

Ministra Laurita Vaz. Foto: Gustavo Lima

Ministra Laurita Vaz. Foto: Gustavo Lima

Em um pronunciamento enfático contra os malfeitos, a ministra Laurita Vaz, que assumiu nesta quinta-feira, 1, a Presidência do Superior Tribunal de Justiça conclamou seus pares ‘a cortar o mal pela raiz’.

Documento

“O país, neste momento, luta para se restabelecer e precisa de respostas firmes aos incontáveis desmandos revelados.”

“A população exige uma reação imediata e proporcional ao tamanho da agressão.”

“Ninguém mais aguenta tanta desfaçatez, tanto desmando, tanta impunidade.”

“A corrupção é um câncer que compromete a sobrevivência e o desenvolvimento do país: retira a comida dos pratos das famílias; esvazia os bancos escolares e mina a qualidade da educação; fecha leitos, ambulatórios e hospitais, fulminando a saúde das pessoas; enfim, corrói os pilares que sustentam o ideal de civilidade e desenvolvimento.”

Tudo o que sabemos sobre:

STJ

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.