O futuro do varejo é digital

O futuro do varejo é digital

Fernando Gambôa e Marcio Kanamaru*

05 de fevereiro de 2021 | 04h15

Fernando Gambôa e Marcio Kanamaru. FOTOS: DIVULGAÇÃO

Mundialmente, existe uma interrogação sobre o destino do varejo, principalmente com os caminhos que o segmento tomou devido à pandemia da Covid-19. A necessidade fez com que inúmeros varejistas investissem no digital e antecipassem o futuro em poucos meses. Agora, a percepção é de que as marcas no Brasil e na América do Sul não têm mais essa dúvida, mas é necessária a infraestrutura para viabilizar toda a tecnologia que o setor demanda, para não ficarmos para trás no mercado.

Ao longo dos últimos anos, temos acompanhando um movimento chamado omnichannel, no qual os canais cruzam-se para colocar o cliente no centro e brindar a melhor experiência de compra possível, independentemente do canal em que começa e termina a jornada. Devido às restrições, circulação limitada e fechamento de inúmeras lojas de artigos não essenciais, causadas pela covid-19, alguns empresários recorreram ao e-commerce para manter seus negócios funcionando. Como tudo isso ocorreu ao mesmo tempo, é inegável que o varejo tenha sido obrigado a acelerar a adoção de tecnologia, gerando um volume de digitalização jamais visto no setor.

No Brasil e na América do Sul, especificamente, estamos acompanhando um processo de digitalização que visa fortalecer o modelo predominante no varejo, onde o canal digital é mais um que complementa a estrutura de negócio, na qual, na maior parte dos casos, a loja física é o carro-chefe da marca.

Quando vemos o mercado varejista aumentar significativamente a utilização dos meios digitais para vender os produtos, não significa que esteja decretado o fim das lojas físicas, muito menos do comércio tradicional. Para citar alguns exemplos de utilização dos meios digitais pelo setor, temos as situações onde a compra é feita de maneira digital, mas o cliente retira o produto na loja e, no caso de algum problema, pode devolver no mesmo local. São os chamados BOPIS (Buy online, Pick up in Store) e BORIS (Buy online, return in store), respectivamente.

Este tipo de serviço vem fortalecendo o varejo digital, juntamente com as denominadas dark stores, que começaram como locais de distribuição de produtos para viabilizar a logística urbana com menores prazos e que iniciam, também, um processo de atendentes, que digitalmente fazem a demonstração de produtos, sem que, para isso, seja necessária uma vitrine ou produto exposto.

Porém, existe um fator que precisa ser abordado, que é a utilização do 5G. O varejo digital requer uma nova realidade de conectividade que será entregue por essa nova tecnologia que congrega como características básicas não apenas a velocidade, que é de pelo menos 10 gigabits por segundo e uma latência mais baixa, algo de no máximo cinco milissegundos. Essa nova tecnologia trará a oportunidade de novos experimentos, como por exemplo, de uma loja virtual integrada a dispositivos de realidade aumentada com capacidade tátil, em algo totalmente imersivo e inovador. Além disso, experiências imersivas para o consumidor poderão contar com tecnologias holográficas simulando o processo de retirar produtos das gondolas e checá-lo como fazemos nas lojas físicas, oferecendo uma integração ainda com robôs concierge, que podem em tempo real sugerir uma receita para aquele produto.

Outra premissa importante da utilização do 5G no varejo digital é a questão das entregas. Com a utilização dessa tecnologia atrelada à rápida transmissão de dados, as entregas via drones serão mais completas e eficientes e farão parte de uma cadeia de suprimentos totalmente automatizada e ainda sustentável.

Tudo isso pode parecer futurista e muitos podem perguntar se até existe infraestrutura para a implementação desses serviços, e esperamos que você possa pontuar o título deste artigo com a chegada destas inovações: O futuro do varejo é virtual? Ou ainda, o futuro do varejo é virtual.

*Fernando Gambôa é sócio-líder de consumo e varejo da KPMG no Brasil e América do Sul

*Marcio Kanamaru é sócio de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.