O fim do superministro

O fim do superministro

Maurício Loboda Fronzaglia*

28 de abril de 2020 | 09h45

Maurício Loboda Fronzaglia. FOTO: DIVULGAÇÃO

Quando anunciado como ministro da Justiça do recém-eleito presidente Jair Bolsonaro, o juiz Sérgio Moro viu as portas se abrirem para a construção de políticas públicas de combate à corrupção. O presidente, por sua vez, ganhava um aliado que lhe aumentaria o apoio popular. Tal foi a aparência do casamento político entre os dois. Na essência do cálculo político, o presidente terceirizava o combate à corrupção para o ministro e poderia se eximir das possíveis crises e denúncias que surgissem. O sucesso do ministro seria um ponto positivo para o presidente que o indicou, já o insucesso poderia ser colocado todo na conta do ministro. Ao presidente caberia dizer, “nomeei o maior nome de combate a corrupção e não deu certo”.

Para Sérgio Moro, o cálculo político trazia alternativas muito sedutoras além do combate a corrupção. Ele estaria muito mais perto da indicação para uma vaga no Supremo Tribunal Federal. Poderia ficar algum tempo no governo, deixar uma marca e seguir para o STF. Havia também a possibilidade de aumentar a sua já grande popularidade pelas ações que empreendesse no ministério da justiça. Neste caso, Moro acumularia um capital político quase sem precedentes e se colocaria como candidato quase que imbatível para as próximas eleições presidenciais. Os dois caminhos anunciavam um divórcio neste casamento político. No primeiro caso seria amigável, no segundo caso o caminho seria cheio de intempéries.

A convivência e os imperativos das atividades cotidianas do poder colocaram os dois atores, presidente e ministro, em atrito por várias vezes no decorrer desses 16 meses de governo. O plano anticorrupção do ministro não teve o suporte do presidente que desejava. Em uma das suas lives, o presidente disse que o ministro da Justiça teria que esperar sua vez para ter seu projeto como prioridade no congresso. No início do ano, houve o atrito sofre a figura do juiz de garantias, além disso, o presidente quis tirar a secretaria de segurança pública da pasta da justiça, dando-lhe uma pasta própria. No fundo, o presidente queria ter mais poder de intervenção nesta área e na polícia federal. Essa não seria a primeira nem a última tentativa de interferência. Moro não gostou. A repercussão foi de tal forma negativa que a ideia foi deixada de lado pelo presidente. Durante a crise da pandemia de covid-19, o presidente se queixou do silêncio do seu ministro em defendê-lo.

Cada um desses atritos oferecia ao ministro da justiça mais uma justificativa para sua saída do governo. Ao ministro caberia dizer que não conseguira colocar em prática todas suas ideias e planos porque o presidente não o deixou.

O cenário já estava preparado para esse possível desfecho. Não se sabia o tempo, não se sabia a ação o desencadearia.

O fato determinante veio nos últimos dias, como bem relatam as reportagens. O presidente quis substituir o diretor da polícia federal por alguém que lhe fosse mais próximo e que lhe desse acesso a informações sobre os processos que poderiam prejudicá-lo. O presidente quer retirar a autonomia da política federal para sua proteção e para seu benefício político. O ministro não viu uma alternativa possível que não sua saída do governo. Permanecer seria apequenar-se.

O divórcio se consumou. O ex-juiz deixa o ministério sem tantos danos a sua imagem e continua seguindo a construção da narrativa de herói que tanta popularidade lhe dá desde a Lava-Jato. O presidente perde credibilidade, perde apoio e se envolve em mais uma crise criada por ele mesmo (que parece ser sua especialidade no governo). Para terminar o texto com o auxílio de Maquiavel, “o presidente vive mais uma crise que evidencia que seu poder veio da fortuna, não da virtude”.

*Maurício Loboda Fronzaglia é doutor e mestre em Ciência Política e graduado em Ciências Sociais. É pesquisador do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoSérgio Moro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.