O ecossistema de startups e seu papel na transformação digital como gerador de oportunidade de negócios

O ecossistema de startups e seu papel na transformação digital como gerador de oportunidade de negócios

Daniel Ibri*

03 de setembro de 2020 | 05h00

Daniel Ibri. FOTO: DIVULGAÇÃO

Que o mundo estava passando por um longo processo de digitalização não é novidade, mas com a pandemia da covid-19, a transformação digital veio para ficar e a resistência de quem ainda preferia o mundo físico deu lugar à resiliência e a um novo olhar para as novas tecnologias. Nos últimos meses, temos visto que a transformação digital está nos levando para um mundo em que os canais digitais se tornaram o principal e muitas vezes o único meio de interação fora de nossas casas.

Um claro exemplo de tal transformação se deu por uma pesquisa realizada pela Plexuss, que revelou que mais de 60% dos estudantes nos Estados Unidos passaram a considerar programas de graduação completamente à distância daqui para frente. Vale relembrar que a origem dos programas de MBA se deu na própria América do Norte e que dificilmente tamanha mudança estrutural ocorreria tão rapidamente, em um contexto diferente do que vivemos – de transformação tecnológica – em um cenário de crise e distanciamento social.

Em termos gerais, percebemos o quanto o ecossistema de startups tem ganhado espaço e provado ser um agente transformador, não só da experiência do usuário, consumidor ou cliente, mas de toda a rotina de nossas vidas. Já não vivemos mais sem a plataforma de vídeo-conferências do trabalho, sem as redes sociais, o delivery, o aplicativo do banco e tantas outras funcionalidades que temos ao alcance de toques no celular. Por isso, é importante identificar como esse ecossistema é tão importante e gerador de oportunidades de negócio.

O ponto é que o mercado da inovação não para. Pelo contrário, ele está sempre girando em torno de novas transformações, e aqueles que mais rápido se adaptam têm mais probabilidade de crescimento e desenvolvimento de negócios. Nesse sentido, buscar parceiros que se posicionem enquanto facilitador da transformação de uma empresa ou até mesmo de um setor, pode ser a virada de chave que o mercado precisa, e é aí que startups com uma operação robusta e tecnologia inovadora podem entrar e mudar completamente a forma com que lidamos com determinado assunto hoje.

O que tenho lido e escutado de executivos e empreendedores é que a pandemia da covid-19 acelerou a transformação digital, que levaria anos para acontecer de fato. Mas é fato também que essas tecnologias já estavam disponíveis. A diferença é que hoje o mercado está mais aberto para recebê-las e que agora, mais do que nunca, nosso dever enquanto amantes da inovação é estarmos cada vez mais atentos e adeptos a elas.

*Daniel Ibri é cofundador e CEO da Mindset Ventures. Membro do Comitê de Empreendedorismo, Inovação e Capital Semente da ABVCAP, membro do Conselho de Administração de diversas startups no Brasil e exterior, mentor da Endeavor, da ACE, da Artemisia e do Lisbon-Challenge, além de professor de finanças e empreendedorismo nos cursos executivos do Insper

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoStartup

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: