O desenvolvimento da criança e a educação do futuro

O desenvolvimento da criança e a educação do futuro

Mauro Aguiar*

19 de maio de 2022 | 04h00

Mauro Aguiar. FOTO: DIVULGAÇÃO

Entre algumas definições, pelo dicionário, a palavra educar expressa o conceito de transmitir saber. Um vocábulo curto e carregado de significado. Enquanto educação se traduz em: aplicação dos métodos próprios para assegurar a formação e o desenvolvimento físico, intelectual e moral de um ser humano. Pensando nestas duas palavras, quero propor uma reflexão. Se entendemos o significado de educação e de educar, por que cada vez menos estamos colocando-as em prática no processo de preparar as crianças para o futuro?

Nestes mais de 43 anos atuando no segmento educacional, tenho total convicção de que só se muda um país com educação. Precisamos compreender a importância de colaborar para que os nossos jovens se tornem cidadãos críticos da realidade em que vivem e questionem o que está estabelecido, cooperando com novas formas de fazer e construir, mas isso só é possível por meio da educação.

E, quando me refiro a educação, trata-se de todo o processo de ensino formalmente reconhecido a partir do ensino infantil, pois é nesta fase que criamos a base e os alicerces da aprendizagem. De acordo com o primeiro relatório global na história do UNICEF dedicado à educação infantil, o “A World Ready to Learn: Prioritizing quality early childhood education”, publicado em abril de 2019, “as crianças matriculadas em pelo menos um ano da educação infantil têm maior probabilidade de desenvolver as habilidades necessárias para ter sucesso na vida escolar. Elas estão menos propensas à repetência ou ao abandono escolar e, portanto, capazes de contribuir com a sociedade e a economia quando atingem a idade adulta”.

Por isso, precisamos mais do que nunca garantir às nossas crianças ferramentas e conteúdo que permitam o desenvolvimento da autonomia, senso crítico e investigativo. É necessário mostrar o poder da palavra, da escrita e da fala; é exatamente a partir das séries iniciais que conseguimos desenvolver toda essa potencialidade, transpondo os limites do aprendizado e mostrando novas formar de pensar e agir.

Estou certo de que a educação extravasa o currículo escolar, e que vai muito além da sala de aula, da lousa e do caderno. Uma escola inovadora dá voz às crianças e inclui os pais e comunidade no processo de ensino. A importância passa a ser de ensinar a pensar e argumentar. O professor deixa de ser o centro da sala de aula para se tornar mediador de conteúdo e o aluno passa a ser um pesquisador. A educação do futuro apresenta um professor cujo papel é incentivar, estimular e propor reflexões.

Cada vez mais a escola precisa levar em conta o interesse de cada estudante, bem como seu ritmo de aprendizado e limitações. Precisamos olhar para os que estão começando a vida escolar e entender suas reais motivações e necessidades, de acordo com suas faixas etárias. O colégio precisa ser um espaço seguro, acolhedor e inspirador, o local onde o aluno possa compreender o mundo no qual ele não será somente espectador, mas protagonista de sua própria vida, com poder de decisão e transformação.

Quando temos uma educação de qualidade, personalizada, desde a mais tenra idade conseguimos transformar para sempre a vida das crianças, mostrando que a escola é um meio para a realização dos seus sonhos e o espaço em que elas irão se transformar no que quiserem. Mas para isso, é preciso compreender as necessidades e características dessa fase, saber ouvi-las e entender que o processo de ensino infantil não é feito somente de uma formação regrada por meio do qual o aluno passa por trâmites para obtenção de um título final. Há de se considerar a complexidade de cada criança, a necessidade do brincar, de conhecer e explorar o mundo ao seu redor, seja o bairro ou até mesmo sua cidade.

Por isso, o desenvolvimento de habilidades socioemocionais se torna tão importante, pois irá preparar nossas crianças para o futuro e para que estejam prontas para desempenhar e desenvolver o seu papel na sociedade, seja ele qual escolher. Enquanto educador, estou certo de que a educação do futuro irá preparar nossas crianças para a vida, contribuindo com o desenvolvimento do pensamento crítico e voltado para a realidade.

*Mauro Aguiar, diretor-presidente do Colégio Bandeirantes

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.