O desafio de guardar dinheiro em 2021

O desafio de guardar dinheiro em 2021

Conrado Navarro*

03 de abril de 2021 | 04h15

Conrado Navarro. FOTO: DIVULGAÇÃO

Diante de uma situação tão complicada causada pela pandemia, é compreensível se assustar quando alguém insiste em dizer que, mesmo assim, guardar dinheiro segue sendo importante e necessário. A palavra de ordem diante de qualquer cenário, seja ele bom ou ruim, é prioridade. Só com ela é possível se organizar para alcançar o objetivo desejado, ainda que leve mais tempo.

Em 2020, por exemplo, muitos brasileiros deixaram de comprar carro zero – foram vendidos 1,16 milhão de automóveis, uma redução de quase 30% em relação a 2019 (2,26 milhões de veículos comercializados).O volume de transações no mercado imobiliário, por outro lado, cresceu. Mais pessoas decidiram realizar a compra da casa própria ou investir em imóveis, principalmente diante de uma taxa básica de juros (Selic) baixa (na casa de 2% em 2020).

O aumento na venda de apartamentos chegou a quase 10% em 2020, segundo dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). A expectativa é de que em 2021, o mercado siga aquecido.Certamente, as famílias que estão fazendo os melhores negócios estão se comprometendo com três lições básicas de finanças pessoais:

1. Juntar dinheiro para dar uma boa entrada e, assim, pagar menos juros ao longo do financiamento;

2. Negociar melhores taxas de juros no momento da busca e aprovação do crédito, aproveitando que a Selic se encontra em patamares historicamente baixos;

3. Planejar a realidade do orçamento financeiro a partir da dívida contraída com a compra do imóvel.

O desafio de guardar dinheiro em 2021 continua. Ele não muda em relação a outros períodos, porque sempre teremos que fazer escolhas envolvendo nosso dinheiro e as prioridades a ele envolvidas.

Muito embora a fase não pareça adequada para comprar ou realizar um sonho de consumo, sempre teremos necessidades a serem preenchidas e mesmo para as mais urgentes, precisamos de planejamento financeiro.

A dica é: cabeça erguida para guardar dinheiro em 2021. Para realizar objetivos importantes. Não se deixe abalar pela falta de esperança decorrente de decisões políticas ou pelo peso da situação da pandemia. Tudo isso vai passar.

Daqui alguns meses (anos), você experimentará uma sensação muito boa e diferente, comemorando vitórias pessoais importantes e abrindo novos caminhos a partir de seu compromisso consigo mesmo(a), guardando dinheiro e valorizando a educação financeira.

*Conrado Navarro, sócio e especialista em finanças pessoais na fintech Grão

Tudo o que sabemos sobre:

Artigoeducação financeira

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.