‘O crime não pode compensar’, alerta Moro

‘O crime não pode compensar’, alerta Moro

Ministro da Justiça e Segurança Pública destaca em sua conta no Twitter que em 2019, até julho, Polícia Federal confiscou R$ 548 milhões do crime organizado e afirma que 'estratégia universal' compreende isolamento dos líderes, sequestro e bloqueio do patrimônio do crime

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

05 de agosto de 2019 | 18h54

Reprodução

O ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) disse nesta segunda, 5, que ‘o crime não pode compensar’. Em sua conta no Twitter, Moro destacou que a Polícia Federal, em 2019, até julho, confiscou R$ 548 milhões em bens de organizações criminosas especializadas em lavagem de dinheiro, narcotráfico e corrupção.

Ele enalteceu o trabalho da PF ‘pelo recorde de apreensão de bens ligados a grupos criminosos organizados’.

No levantamento, divulgado agora pela PF, os valores dos bens apreendidos até julho de 2019 já ultrapassam as apreensões de todo o ano passado.

Em 2018, a descapitalização das quadrilhas atingiu a cifra de pouco mais de R$ 451 milhões.

O ministro observou que a ‘estratégia universal’ no cerco às organizações compreende ‘a prisão dos membros do grupo, isolamento dos líderes, sequestro e confisco do patrimônio do crime’.

“O crime não pode compensar”, alerta Moro.

Tudo o que sabemos sobre:

Sérgio MoroPolícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: