O colibri e o carvalho

O colibri e o carvalho

João Linhares*

13 de novembro de 2020 | 05h30

João Linhares Júnior. FOTO: DIVULGAÇÃO

Seja rio acima ou água abaixo,

Em mares turvos ou hialinos;

Em árvores feitas e sombreadas,

ou em paisagens carbonizadas;

Em oceanos agitados

ou em meio à bruma relaxante das ondas,

Nossas margens enamorar-se-ão sempre,

fitando o infinito incompreendido e os ipês-amarelos,

Ecoando o grito eloquente dos loucos e a paz reconfortante dos sábios;

Somos dois pássaros embalados pelo mesmo maestro:

o amor recíproco incomensurável!

Amo-te deveras,

como o peixe deseja ardentemente as águas das cachoeiras…

Nas inevitáveis provações do deserto da vida,

Tu és minha Rosa de Jericó;

Tão rara e valiosa quanto uma Flor de Kadupul.

Sou um colibri inteligente:

Contra as intempéries do destino,

Construí meu ninho num carvalho.

E nada o derruba!

*João Linhares Júnior, promotor de Justiça do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, atuante em Dourados. Mestre em Garantismo e Processo Penal pela Universidade de Girona (Espanha) e pós-graduado em Jurisdição Constitucional e Direitos Fundamentais pela PUC-RJ

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.