O avanço da comunicação estratégica nos negócios

O avanço da comunicação estratégica nos negócios

Monica Agnello*

29 de janeiro de 2021 | 03h00

Monica Agnello. FOTO: DIVULGAÇÃO

Muitos profissionais que trabalham com comunicação corporativa já vivenciaram cenários onde os trabalhos da área só eram direcionados para grandes anúncios ou para casos de gestão de crise. Lançamentos de produtos, eventos importantes, mudança de cultura e fim de papo.

Por anos, em muitas empresas, investir em uma comunicação contínua, com mensagens-chaves bem definidas e ações criativas, era visto como uma utopia injustificável, especialmente na hora de defender trabalhos de comunicação entre aqueles que lidam com os números da companhia.

Hoje, com a enorme competitividade do mercado, e com as diversas formas de produzir conteúdos, não saber como dialogar e ganhar o seu espaço é definitivamente um tiro no pé.

Vivemos a era do conteúdo, cada vez mais ágil, digital, diverso, informativo, e que pede dados e informações relevantes. Um cenário onde uma marca que não tem o que dizer, apenas não existe.

Todo esse contexto atual de comunicação foi impulsionado pela tecnologia, mas é bem verdade que ganhou um reforço extra na pandemia.

De acordo com a Ebit-Nielsen, 7,3 milhões de brasileiros compraram pela internet pela primeira vez entre janeiro e junho de 2020. Diante deste dado, qualquer pessoa que pensa em comunicação se pergunta: quantas milhares de dúvidas e informações esses novos consumidores certamente buscaram na internet? Como posso conquistar esse novo público daqui em diante?

Toda essa demanda, é diariamente, abastecida pelo trabalho de comunicação. Pelo especialista que precisa criar um conteúdo cada vez mais assertivo e completo. Por profissionais que precisam, a cada dia, se reinventar para conectar informação ao seu público-alvo, que por sinal também segue cada vez mais exigente. São pessoas que atuam com técnicas jornalísticas para elaborar esses materiais, buscando fontes, dados, informações e com isso abastecendo milhares de pessoas por todo o mundo.

Enfim, é dentro desta rede digital infinita que trilhamos e que não iremos parar tão cedo. Conforme o Governo Federal, entre o fim de fevereiro e o fim do mês de novembro de 2020, foram registradas 1.151.041 novas empresas no Brasil.

Junto a isso, hoje a internet destaca pelo menos dez novas redes sociais, entre elas: Signal, Vero, Telegram, WeChat, Twitch, Hello, Wattpad, Reddit, Parler, MeWe, sem falar das outras que já estamos bastante habituados.

E assim, dentro deste conhecimento que avistamos e vivenciamos, garantimos o nosso lugar na estratégia do plano de negócios de qualquer empresa. A comunicação avança e promete ser cada vez mais veloz. Ah, e quanto aos números, já podemos provar com alcance e engajamento: obrigada analytics!

Finalizando a nossa conversa, ouso a pontuar que o desafio agora vai além do conteúdo em si ou até mesmo do interesse dos gestores por investimento em comunicação. A verdade é que já temos hoje uma enxurrada de materiais na internet. E aqui voltamos para a questão estratégia: como balancear essa produção diante de tamanha competitividade?

Sim, ainda teremos muito o que falar sobre comunicação em 2021. Estar fora deste desafio já não é uma opção.

*Monica Agnello é especialista em Comunicação Corporativa e Marketing Estratégico

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.