O 5G e os próximos passos da indústria 4.0

O 5G e os próximos passos da indústria 4.0

Mauricio Finotti*

15 de agosto de 2021 | 04h30

Mauricio Finotti. FOTO: DIVULGAÇÃO

A 4ª revolução industrial, ou Indústria 4.0, vem mostrando cada vez mais que o futuro da manufatura está na geração, integração, análise de dados e a digitalização do chamado “chão de fábrica”. Essa é uma realidade que vem tomando conta das empresas, independente do seu porte, e esses são os fatores que vem trazendo visibilidade das operações ao gestor e tomada de decisões mais assertivas e rápidas.

Depois que os celulares e as redes móveis chegaram, ocorreu uma transformação no modo com o qual nos relacionamos com a tecnologia. As interações se tornaram mais comuns e a experiência do usuário é cada vez mais habitual ao que se costuma utilizar no meio online. A conectividade ganhou destaque e hoje a internet é tão comum quanto a eletricidade ou água encanada nas residências. E para a Indústria isso não é diferente, o uso de tecnologia no chão de fábrica para a coleta massiva de dados de equipamentos e processos também tem seus benefícios.

É por meio de soluções tecnológicas que é possível diminuir custos e melhorar a produtividade. E com a chegada do 5G o cenário será ainda mais favorável, podemos dizer que teremos um grande marco para a conexão entre equipamentos, pessoas, processos, serviços e produtos. Neste novo mundo conectado, às tecnologias sem fio vão permitir a reconfiguração em tempo real de uma linha de montagem para atender um cliente específico sem a necessidade de infraestruturas complexas (cabos, redes, fibra óptica etc.), tudo isso graças a grande velocidade do 5G, mais rápido do que conexões cabeadas.

A visibilidade das operações de manufatura aliadas à capacidade de mudanças rápidas permite a conexão da produção com o consumidor final em velocidades nunca antes imaginadas. Para exemplificar, vamos traçar um possível cenário: a indústria fabrica um produto (uma bomba de água por exemplo), este produto passa pelo processo de montagem, estoque, distribuição, consumidor final e assistência técnica. Cada etapa com os seus relatórios, tempos e dados guardados em papel, planilhas ou arquivados em algum arquivo.

Com a manufatura conectada, cada produto produzido é acompanhado em tempo real pelo gestor da operação que identifica se a produção está conforme o planejado, se existe gargalo na linha de montagem e se todos os equipamentos estão funcionando corretamente e ao invés de produzir para estoque, o sistema de pedidos enxerga em tempo real o que o consumidor está demandando, otimizando todos os custos de estocagem, e indo além, cada bomba de água sai de fábrica equipada com sensores de operação que informam para a fábrica em tempo real como o produto está funcionando, permitindo ações preventivas da assistência técnica e gerando dados para melhoria de produtos, tudo isso de forma rápida, segura e global.

A realização de coisas incríveis a distância fará parte do nosso dia a dia, conectividade e visibilidade da cadeia de valor, transparência e agilidade para tomada de decisões, vulnerabilidades tratadas rapidamente e o usuário sendo atendido no momento exato com o produto correto. A altíssima velocidade e baixa latência (tempo de resposta) das conexões 5G tornarão as operações em nuvem imperceptíveis dando escala a todas as operações que exigem tomada de decisões e cálculos complexos, às vezes impossíveis de serem realizados localmente.

Assim, a tecnologia 5G não é somente útil para podermos baixar filmes em segundos, mas para termos um dia a dia mais seguro, com decisões mais assertivas e também com mais saúde, afinal podemos ser atendidos por um médico especialista que poderá realizar uma cirurgia controlando um robô a 500 km de distância sem o risco de “perder a conexão”. A Internet das Coisas na 4ª revolução industrial é sobre a geração e inteligência de dados, a conectividade de operações e toda a cadeia agindo de forma uníssona e uniforme e o 5G permitirá essa realidade em um futuro muito, mas muito próximo.

*Mauricio Finotti, coordenador do Comitê de Manufatura da Associação Brasileira de Internet das Coisas (ABINC)

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.