‘Nunca fui interlocutor do senador Renan’, afirma deputado

‘Nunca fui interlocutor do senador Renan’, afirma deputado

Aníbal Gomes (PMDB-CE) foi citado em delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa como emissário do presidente do Senado

Redação

04 de março de 2015 | 17h38

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso e Fausto Macedo

O deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) afirmou nesta quarta-feira, 4, que nunca foi interlocutor do senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Em delação premiada, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa disse que o presidente do Senado usava o parlamentar como “interlocutor” dos contatos com a diretoria – reduto do PP no esquema de corrupção e propina investigado pela Operação Lava Jato.

Aníbal Gomes. Foto: Câmara dos Deputados

Aníbal Gomes. Foto: Câmara dos Deputados

Segundo o delator, o aliado de Renan apresentava-se como “representante” do senador. Costa afirmou que o presidente do Senado recebeu propina em contratos da Diretoria de Abastecimento e que, na prática, os pagamentos ao peemedebista “furaram” o teto de 3% estabelecido como limite dos repasses a políticos no esquema.

“Ressalto que nunca fui interlocutor do Senador Renan, nem de quem quer que seja, junto a qualquer órgão, e que todas as minhas reivindicações são feitas dentro de relações institucionais e de minha total responsabilidade. Nunca me envolvi em irregularidades junto a Petrobrás, ou qualquer outra estatal, de natureza direta ou indireta”, reagiu o deputado.

O esquema desbaratado a partir de março de 2014 envolvia o loteamento de diretorias da Petrobrás pelo PT, PMDB e PP. Por meio delas, eram arrecadados entre 1% e 3% de propina em grandes contratos Segundo Costa, a propina excedeu os 3% para que “fosse incluído um valor para Renan”.

Para a força-tarefa do Ministério Público Federal, o delator afirmou que entre 2007 e 2008, o emissário peemedebista procurou por ele e disse que Renan “mandou pedir” que a Petrobrás “passasse a contratar uma empresa, a Serveng-Civilsan”. Na época, Costa ocupava a Diretoria de Abastecimento da estatal.

Aníbal Gomes teria dito que Renan queria que o grupo paulista Serveng-Civilsan pudesse participar das licitações da estatal. A Operação Lava Jato descobriu que um seleto grupo de empreiteiras detinha exclusividade em praticamente todas as áreas estratégicas da Petrobrás. Segundo os investigadores, apenas em casos extraordinários essa blindagem era rompida.

“O senador Renan Calheiros é meu companheiro de partido e uma das nossas principais lideranças, o conheço desde o meu primeiro mandato, que se iniciou em 1995”, disse. “Conheci o Dr. Paulo Roberto há alguns anos, já como Diretor da Petrobrás, engenheiro de carreira, muito atencioso e reconhecido junto aos funcionários daquela instituição como um gestor competente e respeitado.”

Transpetro. Um dos medalhões da lista de políticos alvo de pedido de inquérito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF), Renan já tinha seu nome apontado na Lava Jato. Ele havia sido associado ao suposto oferecimento de propinas na Transpetro – subsidiária da estatal que foi comandada por dez anos por um indicado pessoal do presidente do Senado, Sérgio Machado – e os investimentos de fundos de pensão federal, entre eles o dos Correios (Postalis) e o da Caixa Econômica Federal (Funcef) nos esquemas do doleiro Alberto Youssef.

No caso da Transpetro, o ex-diretor de Abastecimento citou o nome do presidente do Senado na intermediação de um contrato para patrocínio de um curso. Diz que foi procurado pelo emissário do pemedebista para que ele ajudasse o Sindicato Nacional dos Mestres de Cabotagem e Contramestres em Transportes Marítimos.

O deputado Aníbal Gomes, segundo Costa, disse estar “representando” Renan. Na ocasião, foi oferecido uma “remuneração” de R$ 700 mil ao ex-diretor para que ele desse solução para o impasse da Petrobrás com o sindicato. Na agenda de Paulo Roberto há registros da anotação de celulares de Machado e de uma menção a “curso c/ Sérgio Machado, 5%”, ao lado do valor R$ 5 mil e da inscrição “dois meses”.

“Quanto a citada interlocução com o Sindicato Nacional dos Mestres de Cabotagem em Transportes Marítimos, junto ao Dr. Paulo Roberto e Dr. Sérgio Machado, não lembro. Somos sempre procurados por sindicatos para agilização de seus processos, e se algum dia fiz gestão nesse sentido não precisaria oferecer propina a ninguém, seria uma solicitação institucional”, afirmou.

LEIA A ÍNTEGRA DA MANIFESTAÇÃO DO DEPUTADO ANÍBAL GOMES

O Senador Renan Calheiros é meu companheiro de partido e uma das nossas principais lideranças, o conheço desde o meu primeiro mandato, que se iniciou em 1995. O ex-diretor Paulo Roberto, de acordo com informações suas, fala que fui interlocutor do Senador em dois assuntos:

Fui procurado pela empresa SERVENG acerca de 4 anos atrás, para que eu agilizasse uma audiência com Dr. Paulo Roberto, então Diretor de Abastecimento da Petrobras, para apresentar um projeto da construção de um Porto, São Sebastião em São Paulo, projeto este que de acordo com informações nem aprovado foi, e não para solicitar a participação desta empresa em licitações.

Quanto a citada interlocução com o Sindicato Nacional dos Mestres de Cabotagem em Transportes Marítimos, junto ao Dr. Paulo Roberto e Dr. Sérgio Machado, não lembro. Somos sempre procurados por sindicatos para agilização de seus processos, e se algum dia fiz gestão nesse sentido não precisaria oferecer propina a ninguém, seria uma solicitação institucional.

Rodrigo Calheiros, filho do Senador Renan trabalhou em meu gabinete de 2008 a 2011, como assessor parlamentar. Ressalto que nunca fui interlocutor do Senador Renan, nem de quem quer que seja, junto a qualquer órgão, e que todas as minhas reivindicações são feitas dentro de relações institucionais e de minha total responsabilidade.

Nunca me envolvi em irregularidades junto a Petrobras, ou qualquer outra Estatal, de natureza direta ou indireta.

Conheci o Dr. Paulo Roberto há alguns anos, já como Diretor da Petrobras, engenheiro de carreira, muito atencioso e reconhecido junto aos funcionários daquela instituição como um gestor competente e respeitado.”

 

___________________________________

Curta a página do blog no Facebook. Clique aqui!

___________________________________

Tendências: