Número de eleitores entre 16 e 17 anos cai 14,5%, diz TSE

Número de eleitores entre 16 e 17 anos cai 14,5%, diz TSE

Novo perfil do eleitorado brasileiro, divulgado ontem pelo tribunal, beneficia candidaturas com propostas conservadoras, afirma analista

Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

01 Agosto 2018 | 12h20

Foto: Estadão

O eleitorado brasileiro tem este ano mais mulheres e idosos acima de 70 anos e menos jovens de 16 e 17 anos, além de registrar um aumento expressivo no número de cidadãos que vivem no exterior habilitados a votar, em comparação com o contingente das últimas eleições majoritárias, em 2014. O raio X do eleitorado brasileiro foi divulgado nesta quarta-feira, 1º, pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux.

Nos últimos quatro anos, o eleitorado feminino avançou de 52,13% para 52,5% do total. Já a quantidade de jovens de 16 e 17 anos – cujo voto é facultativo – aptos a comparecer às urnas caiu de 1.638.751 para 1.400.617, uma redução de 14,53% no mesmo período. O tribunal destacou que dados do IBGE apontam que a população de 16 e 17 anos diminuiu 7,63% no período, o que pode justificar a queda no número de jovens nessa faixa habilitados para votar. O TSE diz que promoveu campanhas de conscientização para fomentar a participação de jovens na eleição.

Já quantidade de brasileiros com mais de 70 anos aptos a comparecer às urnas – cujo voto também é facultativo – aumentou 11,12%, passando de 10,8 milhões para 12 milhões de 2014 para 2018.

O número de brasileiros aptos a votar no exterior aumentou 41,37%, saltando de 354.184 para 500.727 no período. O TSE atribui isso à cooperação entre o Ministério das Relações Exteriores e a Justiça Eleitoral para o cadastro de brasileiros residentes no exterior. Boston, Miami, Tóquio, Londres e Nagoya são as cidades no exterior com o maior número de eleitores brasileiros aptos a votar.

PERFIL
Ao todo, 147.302.354 brasileiros poderão votar nas próximas eleições. Trata-se de um aumento de 3,14% em relação aos números de 2014, quando 142,8 milhões de brasileiros estavam habilitados. Segundo os dados da Corte Eleitoral, a faixa etária de 45 a 59 anos é a que apresenta a maior parte: 35.742.439 eleitores, o equivalente a 24,26%.

Além dos 5.570 municípios brasileiros, o eleitorado brasileiro está distribuído também em 171 cidades de 110 países.

Para o cientista político Ricardo Caldas, da Universidade de Brasília (UnB), o perfil do eleitorado brasileiro favorece as candidaturas de perfil conservador. “O eleitor médio brasileiro é mulher e tem em torno de 45-59 anos. A mulher já é mais pragmática do que o homem na hora de votar, é mais focada e menos disposta a ousar, o que leva à conclusão de que candidatos de perfil mais conservador teriam mais probabilidade de obter votos.

Para a estudante Débora Goulart, de 18 anos, que tirou o título neste ano, o cenário eleitoral está indefinido. “Não tenho certeza em quem vou votar, só em quem não vou. Todos que pesquiso têm um passado um pouco conturbado”, afirma a jovem. “Por exclusão, vou escolher o menos pior”, disse ela, que descarta anular o voto. / COLABOROU PAULO BERALDO

Mais conteúdo sobre:

TSE