Nova fase da Operação Ápia liga deputado do Tocantins a desvios em obras de rodovias

Nova fase da Operação Ápia liga deputado do Tocantins a desvios em obras de rodovias

Polícia Federal levou para depor coercitivamente Eduardo Siqueira Campos (DEM), filho do ex-governador Siqueira Campos, por suposto esquema de abastecimento de campanha com recursos desviados de licitações e fraudes em contratos envolvendo 7 empreiteiras que receberam R$ 1,2 bilhão do BNDES

Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

28 de abril de 2017 | 10h40

Eduardo Siqueira Campos. Foto: Divulgação

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira, 28, a quarta fase da Operação Ápia no Tocantins. A ação mira o deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (DEM), filho do ex-governador Siqueira Campos, e em um escritório de advocacia. O parlamentar, filho do ex-governador José Wilson Siqueira Campos (2011-2014), foi conduzido coercitivamente para depor em inquérito na sede da PF em Palmas. Os federais fizeram buscas no apartamento do deputado.

A Ápia investiga direcionamento de licitações e fraudes em contratos de obras de rodovias envolvendo pelo menos 7 empreiteiras que receberam R$ 1,2 bilhão do BNDES.

Eduardo Siqueira Campos é ex-prefeito de Palmas, ex-deputado federal, ex-senador e foi secretário de Relações Institucionais do Estado no governo do pai.

O escritório de advocacia de Renan Bezerra de Mello Pereira, ex-superintendente de Obras do Tocantins e filho do procurador-geral de Justiça Clenan Renault de Melo, também foi alvo de buscas na capital do Estado.

COM A PALAVRA, O DEPUTADO EDUARDO SIQUEIRA CAMPOS

Ao sair do prédio onde reside, escoltado por agentes da Polícia Federal, o deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (DEM) declarou ao repórter Cassiano Rolim, da TV Anhanguera, que as buscas em seu apartamento não o preocupam. “Fizeram revista no apartamento, não há o que encontrar ou levar. Acho que isso faz parte.”

Questionado sobre a versão dos investigadores de que parte do dinheiro desviado em obras rodoviárias teria abastecido sua campanha, ele declarou que são ‘coisas diferentes’.

“Sou o deputado mais votado do Estado e já fui, desculpe, o senador mais votado da história do Tocantins. Repilo, com veemência, a colocação de que qualquer dinheiro tenha entrado (em sua campanha).”
Sobre sua condução coercitiva pela PF, o parlamentar declarou. “Como homem público entendo que é obrigação prestar todos os esclarecimentos.”

COM A PALAVRA, EDUARDO SIQUEIRA CAMPOS

Nota

O deputado Eduardo Siqueira Campos prestou esclarecimentos à Polícia Federal nesta sexta-feira, 28, em virtude de mais uma fase da operação Ápia. Na ocasião, o deputado abriu mão do seu direito constitucional estar acompanhado de um advogado e também do direito de permanecer em silêncio, caso entendesse ser necessário, e respondeu a todas as perguntas que lhe foram feitas.

Os questionamentos foram em torno da candidatura a Governador do Estado do Tocantins em 2014. O deputado Eduardo Siqueira Campos esclareceu que foi candidato a deputado estadual e em virtude disso não foi necessário a montagem de grande estrutura campanha, nem orientação de marketing, nem gastos com pesquisas, contratação de agência de publicidade e demais gastos que são obrigatórios em campanhas majoritárias. No entanto, devido seu histórico de trabalho, sagrou – se o deputado mais votado do Tocantins.

O deputado Eduardo Siqueira Campos entende que por exercer função pública, tem a obrigação de colaborar com qualquer investigação, e por isso, abriu mão do direito constitucional de ficar em silêncio para responder a todos os questionamentos para que não pairem quaisquer dúvidas. Há poucos dias, uma afirmação sem provas em rede nacional não levou 48 horas para ser desmentida. Por isso, o deputado Eduardo Siqueira apóia a apuração criteriosa das informações para que não pairem dúvidas ou suspeitas sobre qualquer cidadão ou homem público.

O deputado Eduardo Siqueira Campos relembrou que ele e seu pai, o ex-governador Siqueira Campos, possuem mais de 50 anos de vida pública no Tocantins, uma vida construída de forma honrosa, sem objetivo de angariar patrimônio, mas para que o Tocantins fosse criado e pudesse desenvolver essa parte do Brasil.

Eduardo Siqueira Campos afirma que permanece sereno, tranquilo e consciente de que suas ações sempre obedeceram as leis vigentes. O deputado encerrou dizendo que permanece à disposição das instituições, da imprensa e do povo tocantinense para seguir trabalhando pelo nosso Estado.

Élcio Mendes
Assessoria de Imprensa

Tendências: