Nota promissória de R$ 15 mi assinada por Bumlai foi garantia de empréstimo

Nota promissória de R$ 15 mi assinada por Bumlai foi garantia de empréstimo

Atipicidade de operação chamou a atenção de juiz da Lava Jato; delatores afirmaram que dinheiro concedido pela Schahin ao pecuarista amigo de Lula, em 2004, tinha como destino o PT

JULIA AFFONSO, RICARDO BRANDT E FAUSTO MACEDO

25 Novembro 2015 | 17h56

Bumlai foi preso na 21ª fase da Lava Jato. Foto: André Dusek/Estadão

Bumlai foi preso na 21ª fase da Lava Jato. Foto: André Dusek/Estadão

O pecuarista José Carlos Bumlai, preso nesta terça-feira, 24 alvo da Operação Passe Livre – 21ª fase da Lava Jato – deu uma nota promissória de R$ 15 milhões e colocou um dos filhos e a nora como avalistas do empréstimo concedido pelo Banco Schahin, em 2004, de R$ 12 milhões que teria como destino final os cofres do PT. O valor foi concedido após reunião em que participou o ex-tesoureiro petista Delúbio Soares e de ligação do então ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu.

“Alguns fatos chamam a atenção. O empréstimo inicial foi concedido com garantia precária, mera nota promissória do devedor, o que é incomum para contratos de vulto, de cerca de R$ 12 milhões”, registrou o juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em Curitiba, em sua decisão de prisão de Bumlai.

NOTA PROMISSORIA

A Lava Jato analisa os documentos apreendidos nas sedes das empresas de Bumlai e nos endereços dos filhos, alvos de busca e apreensão nesta terça-feira, atrás de provas que levem ao caminho do dinheiro emprestado pela Schahin, em 2004, a Bumlai e nunca pago. Para os investigadores, os cofres do PT podem ter sido o destino final, como afirmam delatores.

O contrato de empréstimo no valor exato de R$ 12.176.850,80 foi assinado no dia 14 de outubro de 2004, segundo turno das eleições municipais pelo País e primeira em que o PT participava ocupando a Presidência da República.
A nota promissória e o contrato de mutuo entre Bumlai e o Banco Schahin foram entregues aos investigadores da Lava Jato por um dos donos do grupo, o empresário Salim Schahin, no acordo de delação premiada que fez com a força-tarefa.

Tanto Schahin, como o ex-presidente do Banco, Sandro Tordin, apontaram os nomes de dois tesoureiros do PT, Delúbio Soares e João Vaccari Neto, e o ex-ministro José Dirceu como decisivos na concessão do empréstimo que seria para o partido, mas tomado via Bumlai.

termo salim shaHIN

O contrato de empréstimo vencia em novembro de 2005 e teve uma análise de crédito realizada apenas em 21 de junho daquele ano – oito meses após a concessão. O juiz Sérgio Moro considerou ainda digno de atenção o fato de não ter havido qualquer pagamento entre a data de início da operação, em 14 de outubro de 2004, e 27 de janeiro de 2009. “Ainda assim o Banco Schahin e seus sucessores não se dispuseram a promover a execução forçada da dívida, omissão bastante incomum para qualquer instituição financeira.”

[veja_tambem]

O valor nunca foi pago formalmente, confessou Salim Schahin em depoimento prestado ao procurador Diogo Castor de Mattos, da força-tarefa da Lava Jato, em sua delação premiada. Ele foi dado como “quitado” sem qualquer juro um dia antes da celebração do contrato de operação do navio-sonda Vitoria 10.000, entre a Petrobrás e a Schahin, em 2009. O contrato foi uma compensação pelo valor repassado em 2004.

A quitação desse empréstimo é considerada fraudulenta e envolveu ainda uma operação simulada de “dação em pagamento de embriões de gado inexistentes de fato” de Bumlai para o grupo.

“Essas circunstâncias, concessão de empréstimos sem garantia, sem amortização parcial e total durante anos e igualmente sem cobrança ou execução, reforçam as características fraudulentas, já afirmadas pelo próprio dirigente do Grupo Schahin, de todas as operações”, afirmou Moro, em sua decisão.

trecho inicial emprestimo 12 mi