‘Nossas instituições devem ser honradas’, diz Gilmar sobre vídeo de Bolsonaro atacando Congresso

‘Nossas instituições devem ser honradas’, diz Gilmar sobre vídeo de Bolsonaro atacando Congresso

Ministro do Supremo se manifestou pelas redes sociais sobre críticas do presidente ao Parlamento

Paulo Roberto Netto

26 de fevereiro de 2020 | 11h18

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes afirmou nesta quarta-feira, 26, que as instituições brasileiras devem ser ‘honradas por aqueles aos quais incumbe guardá-las’. Na terça, o ‘Estado’ revelou que o presidente Jair Bolsonaro compartilhou, pelo WhatsApp, vídeos de convocação para protestos de teor anti-Congresso Nacional.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. Foto: Nelson Jr./SCO/STF

Sem citar o caso nominalmente, o ministro afirma que a ‘harmonia e o respeito’ entre os Poderes são pilares do Estado democrático de Direito. “Independentemente dos governantes de hoje ou de amanhã”, afirma.

“A CF88 [Constituição Federal de 88] garantiu o nosso maior período de estabilidade democrática. A harmonia e o respeito mútuo entre os Poderes são pilares do Estado de Direito, independentemente dos governantes de hoje ou de amanhã. Nossas instituições devem ser honradas por aqueles aos quais incumbe guardá-las”, escreveu Gilmar.

O vídeo compartilhado por Bolsonaro exibe a facada que o então candidato à Presidência sofreu em Juiz de Fora (MG), em setembro de 2018, para dizer que o presidente ‘quase morreu’ para defender o País e que agora precisa ‘que as pessoas vão às ruas para defendê-lo’. A mensagem que acompanha o vídeo afirma: “- 15 de março/Gen Heleno/Cap Bolsonaro/O Brasil é nosso, não dos políticos de sempre”.

Mais cedo, Bolsonaro respondeu às manifestações contrárias à divulgação do vídeo afirmando se tratar de ‘troca de mensagens de cunho pessoal, de forma reservada’. “Qualquer ilação fora desse contexto são tentativas rasteiras de tumultuar a República”, afirmou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.