“Nós temos que centrar fogo no STF”, diz líder do governo

“Nós temos que centrar fogo no STF”, diz líder do governo

No pedido de prisão ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República atribui ao senador Delcídio do Amaral 'atuação espúria' junto a ministros e promessa de liberdade em troca do silêncio de Cerveró

Fausto Macedo, Julia Affonso, Andreza Matais e Beatriz Bulla

25 Novembro 2015 | 12h58

dialogo3

A estratégia do líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT/MS), para barrar a OPeração Lava Jato era ‘centrar fogo no STF’. Em troca do silêncio do ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró – preso desde janeiro deste ano por corrupção e lavagem de dinheiro -, o senador petista prometeu atuar incisivamente no Supremo Tribunal Federal. Condenado, Cerveró busca em todas as instâncias da Justiça obter um habeas corpus em seu favor.

Delcídio revela disposição em exercer tráfico de influência na Corte máxima e faz alusão, ainda, aos ministros do Supremo, Teori Zavascki, Dias Toffoli e Gilmar Mendes, e ao vice-presidente da República, Michel Temer.

OUÇA O TRECHO EM QUE DELCÍDIO FALA SOBRE ‘CENTRAR FOGO NO STF’ A PARTIR DOS 13 MINUTOS

“Agora, agora, Edson e Bernardo, é eu acho que nós temos que centrar fogo no STF agora, eu conversei com o Teori, conversei com o Toffoli, pedi pro Toffoli conversar com o Gilmar, o Michel conversou com o Gilmar também, porque o Michel tá muito preocupado com o Zelada, e eu vou conversar com o Gilmar também”, disse Delcídio ao advogado Edson Ribeiro, que defende Cerveró, e a Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da estatal.

[veja_tambem]

No pedido de prisão do líder do governo, o Ministério Público Federal afirma destacou trechos do diálogo “com ênfase na desfaçatez com que se discute a intercessão política na mais elevada
instância judiciária brasileira”.

“O congressista discute, ainda, estratégias para o convencimento do Ministro Gilmar Mendes, indicando que pediria a “Michel” e “Renan” – alusão evidente, dado o contexto, ao Vice-Presidente da República, Michel Temer, e ao Presidente do Congresso Nacional, Senador Renan Calheiros – que conversassem com Sua Excelência”, afirma o Ministério Público Federal.

COM A PALAVRA, A DEFESA DO SENADOR DELCÍDIO DO AMARAL

Nota Oficial

A defesa do Senador Delcídio do Amaral (PT-MS) manifesta inconformismo em relação à decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal e a convicção de que o entendimento inicial será revisto. Questiona-se o fato de que as imputações tenham partido de um delator já condenado, que há muito tempo vem tentando obter favores legais com o oferecimento de informações. Questiona-se também a imposição de prisão a um Senador da República que sequer possui acusação formal contra si. A Constituição Federal não autoriza prisão processual de detentor de mandato parlamentar e há de ser respeitada como esteio do Estado Democrático de Direito.

Maurício Silva Leite, advogado do Senador Delcídio do Amaral