No Twitter, Moro cobra vacina para brasileiros e Mendonça reage em defesa do governo Bolsonaro

No Twitter, Moro cobra vacina para brasileiros e Mendonça reage em defesa do governo Bolsonaro

Ministro da Justiça e Segurança Pública trocou farpas com seu antecessor após críticas à falta de cronograma do governo federal com datas para imunização contra a covid-19

Rayssa Motta e Pepita Ortega

28 de dezembro de 2020 | 21h28

André Mendonça e Sérgio Moro. Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, e seu antecessor, Sérgio Moro, entraram em uma discussão pública nas redes sociais na noite desta segunda-feira, 28.

No Twitter, o titular da pasta reagiu a críticas dirigidas pelo ex-juiz federal ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e afirmou que Moro ‘manchou sua biografia’ ao deixar o cargo. Isso porque, mais cedo, o ex-ministro criticou a falta de um cronograma com data para o início da vacinação contra a covid-19 no Brasil.

“Onde está a vacina para os brasileiros? Tem previsão? Tem Presidente em Brasília? Quantas vítimas temos que ter para o Governo abandonar o seu negacionismo?”, escreveu Moro.

Na mesma publicação, Mendonça menosprezou a gestão do ex-ministro: “Alguém de quem tanto se esperava e entregou tão pouco na área da Segurança? Quer cobrança? Por que em seis meses apreendemos mais drogas e mais recursos desviados da corrupção que em 16 meses de sua gestão?”, disparou.

Em resposta, Sérgio Moro voltou a falar em uma suposta interferência política do Planalto na cúpula da Polícia Federal. O argumento foi usado pelo ex-ministro para deixar o governo e ensejou um inquérito para apurar se o presidente Jair Bolsonaro tentou blindar aliados de investigações.

“Ministro, o senhor nem teve autonomia de escolher o Diretor da PF ou de defender a execução da pena da condenação em segunda instância (mudou de ideia?), então me desculpe, menos. Faça isso e daí conversamos”, provocou Moro.

Tudo o que sabemos sobre:

Sérgio MoroAndré Mendonça

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.