No Twitter, Janot questiona ‘convescotes’ de Temer e Cármen

No Twitter, Janot questiona ‘convescotes’ de Temer e Cármen

Ex-procurador-geral da República postou em sua conta, sábado, 11, que 'causa perplexidade que assuntos republicanos de tamanha importância sejam tratados em convescotes matutinos e vespertinos'

Luiz Vassallo

12 Março 2018 | 14h21

Rodrigo Janot. Foto: André Dusek/Estadão

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot questionou em seu Twitter os motivos que levaram a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, e o presidente Michel Temer (MDB) a se reunirem, neste sábado, 10, na residência da ministra.

“Causa perplexidade que assuntos republicanos de tamanha importância sejam tratados em convescotes matutinos ou vespertinos”, escreveu o ex-chefe do Ministério Público Federal.

O encontro de sábado foi marcado por Temer na quinta-feira, 8, durante seminário de 25 anos da Advocacia-Geral da União. Cármen o recebeu em sua casa para discutir segurança pública, especificamente a intervenção federal no Rio e o caos nos presídios brasileiros.

A reunião foi mais uma oportunidade para Temer apresentar uma defesa contra a inclusão de seu nome no inquérito que apura suspeitas de repasses de propinas da Odebrecht para campanhas eleitorais do MDB em troca de favorecimento à empresa.

Autor das duas denúncias contra o emedebista ao Supremo Tribunal Federal no âmbito da Operação Patmos – uma envolvendo suposta obstrução de Justiça e outra referente ao ‘Quadrilhão do MDB’, em que Temer é acusado como líder de organização criminosa -, Janot passou a usar as redes sociais quando deixou a chefia do Ministério Público Federal.

Janot também não poupou sua sucessora na Procuradoria-Geral da República, Raquel Dodge, e, também no sábado, 11, criticou o lapso de seis meses sem novos acordos de delações. “Vai ser assim?”.

Somente entre 2015 e 2017, sob a condução de Janot, o Ministério Público Federal firmou 159 acordos de delação. Entre elas, a da Odebrecht, que englobou 77 executivos e ficou conhecida como ‘delação do fim do mundo’, e a da JBS, alvo de críticas e rescindida meses depois por supostas omissões de crimes pelos colaboradores.

O ex-diretor-geral da PF, Fernando Segovia, também foi duramente criticado por Janot, desde a sua posse, quando questionou a ‘materialidade’ da mala dos R$ 500 mil da JBS ao ex-assessor do presidente Michel Temer como prova em investigação. Àquela época, Janot reagiu, também no limite dos 140 toques de seu Twitter. “Só pode ser brincadeira”.

COM A PALAVRA, O PRESIDENTE
A reportagem fez contato com a assessoria do presidente Michel Temer. O espaço está aberto para manifestação.
COM A PALAVRA, CÁRMEN
A presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, não vai se manifestar.