No dia da mulher, marcha protesta em frente ao Tribunal da Lava Jato

No dia da mulher, marcha protesta em frente ao Tribunal da Lava Jato

Grupo caminhou pelas ruas de Porto Alegre nesta quinta-feira, 8, contra a 'seletividade' da Justiça

Lucas Azevedo, especial para o Estado

08 Março 2018 | 14h03

Foto: Reprodução/MST

Um grupo de mulheres ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a outros movimentos sociais realizou um protesto próximo à sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), no início da tarde desta quinta-feira, em Porto Alegre. No local são julgadas as apelações da Operação Lava Jato.

O objetivo das protestantes era chegar em frente ao prédio, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado, em 24 de janeiro, a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

O grupo, estimado em cerca de trezentas pessoas, teve o percurso interrompido por um cordão de isolamento feito pela Brigada Militar. O que não impediu a manifestação contra os privilégios dos magistrados e o machismo. Com bandeiras e cartazes, as mulheres tiveram o apoio de um carro de som, de onde lideranças entoavam gritos de ordem. O ato durou cerca de 40 minutos e não alterou as atividades do TRF-4.

Mais cedo, para marcar o Dia Internacional da Mulher, as manifestantes realizaram uma caminhada pelas ruas centrais de Porto Alegre. Conforme estimativa da coordenação do movimento, cerca de 700 pessoas – a grande maioria mulheres – participaram do ato condenando a violência contra a mulher, a reforma da Previdência e a Trabalhista e o governo de Michel Temer.

“Aqui têm homens e mulheres que estão na luta por um país melhor. O dia 8 de março é um marco histórico e seguiremos com a resistência até conquistarmos todos os direitos”, afirmou Sílvia Marques, coordenador do MST.

Mais conteúdo sobre:

MST