Nem Madre Tereza de Calcutá, nem Torquemada, eis o novo relator da Lava Jato no STJ

Nem Madre Tereza de Calcutá, nem Torquemada, eis o novo relator da Lava Jato no STJ

Desembargador Leopoldo de Arruda Raposo, do Tribunal de Justiça de Pernambuco, começou sua carreira na magistratura em 1981 e agora vai substituir o ministro Félix Fischer, inclusive para julgar recurso do ex-presidente Lula no caso triplex

Redação

24 de setembro de 2019 | 07h00

Leopoldo Raposo. Foto: TJ-PE

O novo relator da Operação Lava Jato no Superior Tribunal de Justiça não é ‘nem Madre Tereza de Calcutá, nem Torquemada’, segundo ministros da Corte ouvidos reservadamente pelo repórter Rafael Moraes Moura, do Estadão/Broadcast.

Os pares de Leopoldo Raposo dizem que ele segue o perfil do ministro Félix Fischer, a quem vai substituir temporariamente e que carrega a fama de ‘linha dura’ com réus.

Segundo um integrante da Corte, o desembargador é reconhecido por sua ‘honestidade e correção’.

Com 38 anos de carreira na magistratura. Leopoldo de Arruda Raposo, atualmente desembargador do Tribunal de Justiça de Pernambuco, é casado, pai de dois filhos, e também desempenha a função de professor em direito das sucessões na Escola Superior da Magistratura de Pernambuco (ESMAPE). Ele já atuou como assessor especial da Corregedoria-Geral de Justiça.

Por decisão da Corte Especial do STJ, Raposo foi convocado e vai assumir em caráter temporário os processos de Félix Fischer, da quinta turma, onde estão em curso quase todas as ações penais da Lava Jato, inclusive recurso do ex-presidente Lula contra sua condenação no caso do triplex.

Fischer se recupera de uma embolia pulmonar que o levou a ser internado. Não há previsão de seu retorno às atividades no STJ.

O desembargador presidiu o Tribunal de Justiça de Pernambuco no biênio 2016/2017 e também já dirigiu outros setores da instituição, como a Escola Judicial (Esmape) e a Coordenadoria de Conciliação e Mediação.

Formado pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) em 1973 e pós-graduado em Administração Pública, pela Escola de Serviços Urbanos, ligada a Presidência da República, Leopoldo Raposo iniciou sua carreira na magistratura em 1981, nas Comarcas de Poção e Pesqueira.

No ano seguinte, foi o primeiro magistrado a ser promovido para a 2.ª Entrância na Comarca de Ouricuri. Em 1985, ele chegou ao Recife, onde exerceu o cargo de Juiz Titular da 1.ª Vara de Sucessões e Registros Públicos.

Foi promovido ao cargo de desembargador pelo critério de antigüidade no dia 17 de março de 2003, para preencher a vaga deixada pelo desembargador Mário Alves de Souza Melo. O magistrado vinha ocupando o cargo de desembargador no Tribunal Regional Eleitoral.

Raposo presidiu a 5.ª Câmara Cível do TJ de Pernambuco. Em 14 de fevereiro de 2008, foi empossado no cargo de vice-diretor da Escola Superior da Magistratura de Pernambuco.

Foi eleito membro da Corte Especial do Tribunal de Justiça para um mandato de dois anos.

Desde 11 de maio de 2012, o desembargador é presidente da Seção Criminal e da 1.ª Câmara Criminal.

Confira: Relatório da Presidência do Desembargador Leopoldo Raposo no Biênio 2016-2017

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.