‘Nem conto o que se passou comigo em 11 anos’, diz Barbosa em mensagem de apoio a Maju

‘Nem conto o que se passou comigo em 11 anos’, diz Barbosa em mensagem de apoio a Maju

Repórter do tempo do Jornal Nacional, Maria Júlia Coutinho foi alvo de ataques racistas na internet, na quinta-feira, 2; ex-presidente do Supremo se solidariza à jornalista e lembra do período em que foi ministro da Corte máxima

Redação

06 de julho de 2015 | 13h13

Joaquim Barbosa. Foto: André Dusek/Estadão

Joaquim Barbosa. Foto: André Dusek/Estadão

Por Fausto Macedo e Julia Affonso

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa usou o Twitter no domingo, 5, para mandar duas mensagens de apoio à jornalista Maria Júlia Coutinho, a Maju, do Jornal Nacional, da TV Globo. Ela foi alvo de comentários racistas na noite de quinta-feira, 2, na página oficial do telejornal, no Facebook. Internautas escreveram posts pejorativos sobre a cor da pele da repórter em uma publicação que continha a foto dela com a previsão do tempo para o dia seguinte.

“Pois é, Maju. Aqui é assim. O pior é que boa parte dessa gente ainda se acha relevante, tem veleidades de ser vista como pessoas civilizadas”, disse Barbosa no primeiro post.

Barbosa mandou mensagens de apoio à Maju. Foto: Reprodução

Barbosa mandou mensagens de apoio à Maju. Foto: Reprodução

Publicações em defesa de Maju logo surgiram após as críticas. Na tarde de sexta-feira, 3,, um usuário do Twitter postou uma crítica ofensiva à jornalista, que foi rebatida por ela. “Beijinho no ombro”, respondeu Maju.

“Adorei tua resposta, Maju. Nem te conto o que se passou comigo nos 11 anos em que ocupei posição de alta responsabilidade e visibilidade…”, afirmou o ex-presidente do STF.

Maria Júlia Coutinho. Foto: Reprodução

Maria Júlia Coutinho. Foto: Reprodução

Joaquim Barbosa ficou onze anos no Supremo, entre 2003 e 2014. Ele presidiu a Corte máxima no julgamento do Mensalão, a histórica Ação Penal 470 que levou para a cadeia quadros importantes do PT, inclusive o ex-ministro-chefe José Dirceu (Casa Civil no goverro Lula). Barbosa não entrou em detalhes, porém, sobre o que ele viveu naqueles onze anos na Corte máxima.

Na sexta-feira, o Ministério Público do Estado (MPE) do Rio informou que instaurou um procedimento investigatório criminal para apurar os comentários racistas contra Maju. Em nota, a TV Globo informou que as mensagens racistas contra Maju haviam sido retiradas da página do Facebook do Jornal Nacional.

O âncora do Jornal Nacional William Bonner, a apresentadora Renata Vasconcellos e a equipe do telejornal fizeram um vídeo em resposta aos comentários preconceituosos. Sem citar a polêmica, Bonner falou: “A gente queria dar um recado para vocês. E o recado é esse aqui, ó: ‘somos todos Maju'”. A hashtag “SomosTodosMajuCoutinho” ficou em primeiro lugar nos Trend Topics do Twitter.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.