Navio-patrulha da Marinha e PF apreendem veleiro carregado de haxixe em águas internacionais perto da costa do Recife

Navio-patrulha da Marinha e PF apreendem veleiro carregado de haxixe em águas internacionais perto da costa do Recife

Dois tripulantes do barco foram presos e devem responder por tráfico internacional de drogas; a Polícia Federal informou que a droga ainda será pesada, mas estima que o total ultrapasse duas toneladas

Redação

18 de junho de 2021 | 09h19

Navio-patrulha da Marinha e PF apreendem veleiro carregado de haxixe em águas internacionais perto da costa do Recife. Foto: Polícia Federal

Em ação conjunta com a Marinha, a Polícia Federal apreendeu um veleiro carregado com grande quantidade de haxixe a cerca de 420 quilômetros da costa de Recife, em Pernambuco. A corporação informou que a droga ainda será pesada, mas estima que o total ultrapasse duas toneladas.

Os dois tripulantes do barco foram presos e devem responder por tráfico internacional de drogas.

A abordagem do veleiro se deu em águas internacionais, com o emprego do Navio-Patrulha Oceânico Araguari, no qual estava embarcada uma equipe da PF. Segundo a corporação, a embarcação teria partido de Portugal.

A operação contou com a colaboração da Aduana francesa, do Centro de Análises e Operações Marítimas – Narcóticos (MAOC-N) e de autoridades das Ilhas Virgens Britânicas.

“A apreensão confirma a existência de uma rota marítima transcontinental de tráfico de haxixe para o Brasil, pela qual transitaria remessas da droga em grandes quantidades. Com a formalização da ocorrência, será instaurado inquérito policial para apurar as circunstâncias dos fatos”, informou a PF em nota.

Navio-patrulha da Marinha e PF apreendem veleiro carregado de haxixe em águas internacionais perto da costa do Recife

Navio-patrulha da Marinha e PF apreendem veleiro carregado de haxixe em águas internacionais perto da costa do Recife

Navio-patrulha da Marinha e PF apreendem veleiro carregado de haxixe em águas internacionais perto da costa do Recife

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.