Nas mãos de Gabriela Hardt, para sentença, a ação do sítio de Atibaia que Lula nega ser dele

Nas mãos de Gabriela Hardt, para sentença, a ação do sítio de Atibaia que Lula nega ser dele

Às 15h47 desta terça, 8, processo que tem ex-presidente entre os 13 réus chegou ao gabinete da juíza federal da Operação Lava Jato

Luiz Vassallo, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

09 de janeiro de 2019 | 05h05

Gabriela Hardt. Foto: Reprodução/Ajufe

A juíza federal Gabriela Hardt já pode sentenciar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, desta vez, no processo envolvendo o sítio Santa Bárbara, em Atibaia.

Nesta segunda-feira, 7, às 23h25, faltando 35 minutos para o fim do prazo, foram entregues as últimas alegações finais.

No documento, Ministério Público e réus apresentam memoriais e fazem seus derradeiros apelos à magistrada.

Às 15h47 desta terça-feira, 8, os autos chegaram às mãos da juíza para sentença, segundo consta nas movimentações do processo digital.

Reprodução das movimentações do processo que envolve o sítio.

No processo, o ex-presidente é acusado de receber supostas propinas de R$ 1 milhão das empreiteiras Odebrecht, OAS e Schahin. O valor corresponde às reformas bancadas pelas empresas no sítio Santa Bárbara, em Atibaia. O imóvel está em nome de Fernando Bittar, filho de Jacob Bittar, ex-prefeito de Campinas e amigo do petista.

Em alegações finais, Lula nega a acusação e afirma ter sido perseguido tanto por Sérgio Moro, quando exercia a magistratura, quanto por Gabriela Hardt.

Já seus delatores, como Marcelo Odebrecht, Emílio, e outros agentes da empreiteira, pedem o reconhecimento da eficácia de suas colaborações e que sejam aplicados os benefícios previstos em lei.

Léo Pinheiro, da OAS, que também incriminou Lula em depoimento, também requer o reconhecimento de que colaborou e pede atenuantes de pena. Outros executivos da empreiteira, Agenor Medeiros e Paulo Gordilho, pedem absolvição e negam participações em ilícitos.

Segurança de Lula, Rogério Aurélio Pimentel também pediu para ser absolvido e rechaçou a acusação de lavagem de dinheiro. No entanto, afirmou ter tocado as obras do sítio e recebido envelopes de dinheiro para bancar as obras.

Fernando Bittar, dono do imóvel, pediu para ser absolvido, mas disse não ter pago pelas reformas.

Também acusados, José Carlos Bumlai e Roberto Teixeira, negaram as acusações.

Já a Operação Lava Jato reiterou pedidos de condenação para todos os acusados e afirmou que ‘farta prova documental’ põe Lula como ‘proprietário de fato’ do sítio.

Além da ação do sítio, Lula também já pode ser sentenciado no âmbito do processo em que é acusado de propinas de R$ 12,5 milhões da Odebrecht, por meio de um terreno onde supostamente seria sediado o Instituto Lula e o apartamento vizinho à sua residência, em São Bernardo.

Tendências: