‘Não tenho o menor conhecimento dos gastos da família’, diz Adriana

‘Não tenho o menor conhecimento dos gastos da família’, diz Adriana

Mulher do ex-governador do Rio, ré em ação penal da Lava Jato, declarou que 'seu relacionamento com o Sérgio (Cabral) é matrimonial, não é econômico-financeiro'

Fausto Macedo, Julia Affonso e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

27 de abril de 2017 | 19h59

Adriana Ancelmo. Foto: Reprodução

A advogada Adriana Ancelmo, ex-primeira-dama do Rio, afirmou nesta quinta-feira, 28, ao juiz federal Sérgio Moro que seu relacionamento com Sérgio Cabral ‘é matrimonial, não é econômico-financeiro’.
Ela disse isso quando questionada pelo procurador da República Athayde Ribeiro Costa sobre o elevado padrão de vida da família Cabral, segundo aponta investigação da Lava Jato.

Ela e Sérgio Cabral são réus de Moro em ação penal sobre suposta propina de R$ 2,7 milhões que teriam sido pagos ao ex-governador em um contrato de terraplanagem das obras do Complexo Petroquímico do Rio.

Na audiência, o procurador insistiu nas perguntas sobre os gastos da família que seriam superiores a R$ 100 mil mensais. “Eu não tenho conhecimento dos gastos da família. Sei que Sérgio ajudava os outros filhos, mas eu sequer posso afirmar que sejam esses valores.”

O procurador destacou que uma testemunha citou despesas mensais superiores a R$ 100 mil. Adriana disse que o salário do marido como governador era em torno de R$ 20 mil e que ele tinha participação em uma empresa de consultoria.

“Ele tinha empresa, eu não sei exatamente quando ela deixou de existir. Ele exercia lá a consultoria e eu não tenho detalhes. Durante o mandato dele certamente recebia dividendos dessa empresa.”
O procurador seguiu. “Ele (Cabral) recebia 20 mil reais como governador, quanto estima que recebia dessa empresa?”

“Eu não tenho a menor ideia, jamais tratei desse assunto com o Sérgio.”

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoAdriana Ancelmo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.