‘Não tenho ninguém para entregar nem o que delatar’

‘Não tenho ninguém para entregar nem o que delatar’

Paulo Vieira de Souza, que deixou a prisão há duas semanas, nega que tenha atuado como operador do PSDB

Fabio Leite

27 Maio 2018 | 05h00

Paulo Vieira de Souza. FOTO: JF DIORIO / ESTADÃO

Apontado como operador do PSDB em São Paulo, o engenheiro Paulo Vieira de Souza deixou a prisão há duas semanas dizendo que não tem o que delatar à Lava Jato e cobrando provas das inúmeras acusações contra ele feitas por executivos de empreiteiras e doleiro. Na sexta-feira, o ex-diretor da Dersa, estatal de obras rodoviárias do governo paulista, concedeu entrevista ao Estado após participar por sete horas de uma audiência na Justiça Federal no processo que resultou em sua detenção por ameaçar uma testemunha.

+ NA PRISÃO, SOLITÁRIA E PARCERIA COM EDINHO

Estadão: A Suíça informou às autoridades brasileiras que o sr. manteve uma conta naquele país que movimentou cerca de R$ 113 milhões.

Paulo Vieira de Souza: Só posso falar sobre assuntos e documentos a que tenho acesso. Então, sobre esse assunto, eu não vou me pronunciar porque não tive nem documento nem acesso. O único documento da Suíça que foi apresentado no Supremo, quem apresentou foi o meu advogado. Cadê os documentos que nós estamos aguardando e ninguém tem acesso?

+ ‘Fique na sua, isso é maior do que imagina’
+ Ladrões levaram cofre da casa de operador do PSDB

Estadão: Então, as autoridades suíças teriam inventado isso?

Paulo Vieira de Souza: Não… Cadê os documentos? É isso. Se você perguntar como é minha vida no Brasil, na Receita Federal, no Coaf, no Simba, no Imposto de Renda, não tem um senão. Entra na Receita e veja lá como está a minha vida.

+ ‘De engenheiro para o Palácio’
+ Procuradoria denuncia ex-diretor da Dersa

Estadão: O sr. já teve conta fora do País?

Paulo Vieira de Souza: Jamé.

Estadão: Nunca teve?

Paulo Vieira de Souza: Jamé. Eu sou dono do Grupo Nantes? Segundo investigações, ele seria beneficiário de quatro contas no banco suíço Bordier & Cie em nome da offshore panamenha Groupe Nantes S/A) Imagina. Eu não quero falar isso antes de chegar os documentos. Chegando os documentos, eu falo.

+ Ex-diretor da Dersa tem R$ 113 mi no exterior, diz juíza
+ Babá da filha de operador do PSDB mudou depoimento e o inocentou

Estadão: Por que tantas menções ao sr. como operador do PSDB nas delações dos executivos da Odebrecht? O doleiro Adir Assad disse que foi o sr. que o apresentou para as empreiteiras.

Paulo Vieira de Souza: Para a CCR (concessionária de rodovias)… É incrível, não? Eu apresentar ele para a CCR, e ele me dar um pixuleco (propina). Por que falaram meu nome? Essa é a pergunta que vale R$ 500 mil. Vamos lá: a Odebrecht, tem sete executivos que falam de mim. Isso já faz dois anos. O que aconteceu com eles até agora? Foi homologada (a delação) pelo Supremo, e daí? Quero saber se tem alguma prova. Quero saber dos 77 executivos da Odebrecht, fora o Marcelo que foi preso, quem está condenado? Quem tem prova? Que homologação é essa? Ache um cara que fala que deu dinheiro para mim a não ser o Adir Assad. O Adir tem duas versões, uma que ele me deu R$ 100 milhões e outra que ele tirou R$ 100 milhões. Uma que guardava na parede falsa, que é uma muralha, né? Uma malinha do Rocha Loures é R$ 500 mil. E R$ 100 milhões quantas malas são? Aí, ele diz que eu colocava no varal. Cadê a delação dele? Cadê a prova dele?

Estadão: O sr. nega ter recebido todo esse dinheiro, mas já pediu? Em algum momento recebeu uma ordem do partido ou do governo para ajudar na campanha fazendo contato com empreiteiras?

Paulo Vieira de Souza: Nunca. O Aloysio (Nunes Ferreira, atual ministro das Relações Exteriores) pede direto. Você acha que um governador vai pedir para um cara que não é operador? Operador não trabalha no setor púbico. Quem pede dinheiro é operador. Quais são os operadores que são citados? José Amaro Pinto Ramos, Jonas Barcellos, Márcio Fortes, Ronaldo Cezar Coelho. Onde eles trabalhavam? Não era no poder público. Eu sou gestor.

Estadão: Na Petrobrás, os gestores operavam para os partidos.

Paulo Vieira de Souza: Eles não eram gestores, eles eram operadores. Foram colocados para operar e operaram.

Estadão: Mas entrou no governo do PSDB.

Paulo Vieira de Souza: Entrei no governo (Geraldo) Alckmin dois anos antes, mas não na função de operador. Como vou ter moral para tocar uma obra, dar esporro e pedir dinheiro? É brincadeira, é uma ilusão. Não existe isso no Brasil. Marcos Valério, PC Farias, em que órgão público eles trabalharam? Isso é histórico.

Estadão: Mesmo negando ser operador, em algum momento o sr. mandou recado para alguém porque sabe de alguma coisa?

Paulo Vieira de Souza: Não consigo ser operador porque sou gestor. Minha função era tocar obra, fazer, entregar. Concluir no prazo, no custo, na qualidade, e as empresas terem lucro.

Estadão: O sr. alega que as acusações foram feitas porque tentou quebrar o cartel das empreiteiras.

Paulo Vieira de Souza: Não tentei, eu quebrei. Das grandes, quantas ganharam obra comigo?Participaram de todas as licitações. Você vai dizer Rodoanel Sul. Negativo. Quando eu cheguei, já estava feito. Eu mudei o contrato para preço global. Odebrecht já estava até tocando a obra. Eu quebrei o cartel. Eles chegaram na minha sala: ‘ou você nos contrata para Marginal ou Jacu Pêssego ou você não faz a obra’. Eu não faço, quero ver. Perderam. Qual obra ganharam comigo? A Roberto Marinho não fui eu que licitei, foi a Prefeitura. Foi Delta, Egesa. Eles participaram e perderam.

Estadão: Não teve corrupção em nenhuma dessas obras?

Paulo Vieira de Souza: Não vão conseguir achar corrupção no Rodoanel nem na Marginal Tietê nem na Jacu Pêssego na minha gestão.

Estadão: Neste processo em que foi preso, a acusação é de desvio de R$ 7,7 milhões do programa de reassentamento da Dersa na Jacu Pêssego.

Paulo Vieira de Souza: Nenhum relatório da Dersa diz que alguém pegou dinheiro. O que diz é que tem pessoas que receberam em duplicidade por invasão. Agora, reassentamento não é de área irregular. As pessoas que estão lá não têm conta de luz, não têm IPTU. O que tem lá é gambiarra. O fato dos R$ 7 milhões é uma tese.

Estadão: O sr. foi preso acusado de ameaçar uma testemunha que está colaborando com o Ministério Público. Ameaçou?

Paulo Vieira de Souza: Não é do meu perfil. Fui preso por ameaçar uma testemunha que disse que não sabe quem ameaçou. Este foi um motivo inventado, criado e injusto para minha detenção. O STF disse que minha prisão foi incorreta. Quem está acima do STF?

Estadão: A decisão do ministro Gilmar Mendes…

Paulo Vieira de Souza: Mas quem está acima do Supremo? Deus. Eu, como muitos, pela Constituição, fui solto. Não tem nenhum motivo para eu estar detido.

Estadão: Acha que foi preso para forçar uma delação?

Paulo Vieira de Souza: Só para isso, só para isso.

Estadão: O sr. tem o que delatar?

Paulo Vieira de Souza: Se fosse por delação ia ficar 30 anos na cadeia. Não tenho ninguém para entregar nem o que delatar. Vou denunciar o quê se não sou operador? Nunca fui no diretório do PSDB.

Estadão: E qual a sua ligação com o PSDB?

Paulo Vieira de Souza: Amigo pessoal do Aloysio Nunes Ferreira, ponto. Ele era do PMDB (atual MDB), eu era amigo dele. Ele foi para o PSDB, eu sou amigo dele. Se ele for para o PT, eu serei amigo dele. Eu que digo. Agora, dele, tem de perguntar para ele.

Estadão: E sua relação com os ex-governadores José Serra e Alckmin?

Paulo Vieira de Souza: Eu não conheço nem o governador José Serra nem o governador Geraldo Alckmin. Eu estive apresentando trabalho a eles. Nunca falei com eles o tempo que nós estamos falando aqui.