‘Não te viram?’

‘Não te viram?’

Em áudio, presidente Michel Temer se mostra preocupado com identificação do executivo Joesley Batista ao chegar no Palácio do Jaburu na noite de 7 de março

Beatriz Bulla, Fábio Fabrini, Fábio Serapião e Luiz Vassallo

19 de maio de 2017 | 05h00

(AP Photo/Ricardo Botelho)

“Não te viram?”, perguntou o presidente Michel Temer ao executivo Joesley Batista, em áudio gravado pelo empresário, na noite de 7 de março, no Palácio do Jaburu. Na conversa, Temer supostamente avaliza a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB/RJ), condenado a 15 anos e quatro meses de prisão na Lava Jato, e foi informado sobre uma mesada de R$ 50 mil ao procurador Ângelo Goulart Villela para vazar investigações. Foi ao final da reunião, de cerca de 40 minutos, que o presidente questionou o empresário sobre como ele foi Jaburu.

Inicialmente, Joesley disse ter marcado com ‘Rodrigo’ para chegar junto com ele ao Alvorada.

Temer orientou o empresário a procurar o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB/PR) – que foi assessor do presidente até março de 2017 – ‘para tratar de assuntos de seu interesse’.

Loures voltou a exercer o mandato na Câmara, após Osmar Serraglio assumir o Ministério da Justiça – ele era suplente do atual chefe da pasta no Congresso.

O parlamentar é acusado de defender, em troca de propinas, os interesses da J&F no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). As propinas chegavam a R$ 500 mil semanais por um período de 20 anos. O montante somado chega a R$ 480 milhões.

Quando explicou a Temer que foi sozinho ao Jaburu, o executivo da JBS declarou.

Joesley: Eu gostei desse jeito aqui
Temer: Desse jeito?
Joesley: Eu venho dirigindo, nem venho com motorista, eu mesmo dirijo.
Temer: Ou você vem com o Rodrigo e o Rodrigo se identifica lá
Joesley: Eu tinha combinado de vir com ele. Eu vim sozinho, mas aí eu liguei para ele era 10h30. Aí, deu 9h50 eu mandei mensagem pra ele. Ele não respondeu. Deu 10h05 e eu liguei para ele eu disse: cadê? Ele: ‘puta, eu tô num compromisso. Vai lá’. Eu passei a placa do carro. Fui chegando, eles abriram, nem dei meu nome.
Temer: Não te viram?
Joesley: Não, fui chegando, eles viram a placa do carro, abriram, eu entrei .
Temer: Melhor, então.
Joesley: Funcionou super bem.

No diálogo, Joesley disse ao peemedebista que estava pagando uma mesada a Eduardo Cunha e a Lúcio Funaro, apontado como operador de propinas do ex-presidente da Câmara, também preso na Lava Jato, para que ambos ficassem em silêncio. “Tem que manter isso, viu?”, disse Temer.

Joesley falou ao presidente também sobre a ‘compra’ do procurador da República Ângelo Goulart Villela, para quem ele confessa ter pago R% 50 mil por mês para vazar investigações. Villela era integrante da equipe do vice-procurador geral Eleitoral, Nicolau Dino, e recentemente estava cedido à força-tarefa das Operações Greenfield, Cui Bono e Sépsis, que apuram crimes relacionados à JBS.

O procurador teria tido encontros com representantes do grupo frigorífico sem comunicar os colegas. Ele foi preso nesta quinta, 18, pela Operação Patmos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.