‘Não sou alvo’, diz Helder Barbalho

‘Não sou alvo’, diz Helder Barbalho

No Twitter governador do Pará citado na operação Fora do Caixa, que prendeu nesta quinta, 9, o ex-senador Luiz Otávio, afirma que sua campanha em 2014 foi feita dentro da legislação e 'reitera seu compromisso com a lisura do processo eleitoral'

Pepita Ortega e Fausto Macedo

09 de janeiro de 2020 | 14h19

Helder Barbalho. Foto: Carolina Antunes / PR

Alvo de pedido de buscas da Polícia Federal na Operação Fora da Caixa, o governador do Pará Helder Barbalho (MDB) declarou nesta quinta, 9, que sua campanha ao executivo do Estado, em 2014, foi feita dentro da legislação. A medida requerida pela PF para vasculhar endereços do emedebista foi rejeitada pela Justiça Eleitoral de Belém, mas antigo aliado de Helder, o ex-senador Luiz Otávio, foi preso sob suspeita de intermediar caixa 2 de R$ 1,5 milhão para campanha do governador em 2014.

“As doações oriundas da empresa Odebrecht foram integralmente declaradas ao TRE e minhas contas aprovadas pela Justiça Eleitoral. Reitero o compromisso com a lisura de todo processo eleitoral e com o trabalho da Justiça”, também escreveu o governador em seu perfil no Twitter.

A ação desencadeada nesta manhã, desdobramento da Lava Jato, teve início a partir da delação dos executivos da empreiteira Odebrecht que relataram o pagamento de R$ 1,5 milhão para o então candidato ao Governo do Estado do Pará por meio de três entregas, de R$ 500 mil cada.

Os pagamentos teriam sido realizados entre setembro e outubro de 2014. Segundo a PF, há indícios de que ao menos uma das entregas dos valores foi realizada em endereço ligado a parentes do ex-senador Luiz Otávio.

Além do mandado de prisão contra o ex-senador, a ‘Fora da Caixa’ cumpriu ainda uma ordem temporária em face de Álvaro Cesar Silva da Rin, que também teria intermediado o pagamento das supostas propinas.

A ação também realizou buscas em seis endereços residenciais – três em Belém (PA), uma em Palmas (TO) e duas em Brasília (DF). As ordens foram expedidas pela 1ª Vara da Justiça Eleitoral em Belém.

Em coletiva, o delegado Bruno Benassuly indicou que as medidas foram decretadas em face de cinco pessoas, no total.

A ‘Fora do Caixa’ apura crimes de falsidade ideológica eleitoral, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Tudo o que sabemos sobre:

Pará [estado]Caixa 2Helder Barbalho

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: