‘Não sabemos se foi feito por algum provocador’, diz Instituto Lula sobre habeas

‘Não sabemos se foi feito por algum provocador’, diz Instituto Lula sobre habeas

Em nota à imprensa, assessoria esclareceu que ex-presidente não entrou com pedido na Justiça e que 'esse tipo de ação pode ser feito por qualquer cidadão'

Redação

25 de junho de 2015 | 13h19

Em seu último dia de mandato, Lula recusou o pedido da extradição feito pela Itália. Foto: JF Diorio/Estadão.

Lula. Foto: JF Diorio/Estadão.

Por Julia Affonso e Valmar Hupsel Filho

O Instituto Lula divulgou nota nesta quinta-feira, 25, em que afirma não ter sido o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva o autor do pedido de habeas corpus preventivo impetrado no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) . A Assessoria de Imprensa do Instituto Lula destacou que “esse tipo de ação pode ser feito por qualquer cidadão”.

“Não sabemos se esse ato foi feito por algum provocador para gerar um factoide”, assinala o texto divulgado pelo Instituto.

O ex-presidente já instruiu seus advogados para que ingressem nos autos e “requeiram expressamente o não conhecimento do habeas corpus”.

LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA DIVULGADA PELA ASSESSORIA DE IMPRENSA DO INSTITUTO LULA

NOTA À IMPRENSA

Ex-presidente não entrou com pedido de habeas-corpus em Curitiba

São Paulo, 25 de junho de 2015,

Esclarecemos que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não entrou com o pedido de habeas-corpus impetrado em Curitiba, no dia 24/6/2015. Lembramos que esse tipo de ação pode ser feito por qualquer cidadão. Fomos informados pela imprensa da existência do Habeas Corpus e não sabemos no momento se esse ato foi feito por algum provocador para gerar um factoide.

O ex-presidente já instruiu seus advogados para que ingressem nos autos e requeiram expressamente o não conhecimento do Habeas Corpus.

Estranhamos que a notícia tenha partido do Twitter e Facebook do senador Ronaldo Caiado.

Assessoria de Imprensa do Instituto Lula

Tudo o que sabemos sobre:

Lulaoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: