Não há redução de valores destinados à Força-Tarefa da Lava Jato em Curitiba, diz PGR

A nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, havia pedido esclarecimentos sobre as verbas direcionadas à força-tarefa da Operação Lava Jato

Rafael Moraes Moura e Breno Pires, de Brasília

18 Julho 2017 | 20h11

Sede da PGR, em Brasília.

Brasília – Depois de receber uma extensa lista de questionamentos da nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a Procuradoria-Geral da República (PGR) divulgou na noite desta terça-feira (18) uma nota em que diz não ter havido “qualquer redução” nos valores destinados à atuação da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Em ofício encaminhado na semana passada ao atual procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Raquel fez uma lista de 40 perguntas sobre a proposta orçamentária para 2018, que será tema de uma reunião do Conselho Superior do Ministério Público Federal marcada para a próxima terça-feira (25).

Segundo a sucessora de Janot, a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba solicitou R$ 1,65 milhão, mas na proposta orçamentária, foi disponibilizado somente R$ 522,655 mil. “Qual a razão dessa redução para a FT Lava-jato? Qual o valor programado para a Força Tarefa em 2017?”, questionou a futura procuradora-geral da República.

Raquel também pediu esclarecimentos sobre despesas primárias e financeiras do Ministério Público Federal (MPF), o valor desembolsado com auxílio-moradia e o impacto orçamentário com diárias e passagens.

A sucessora de Janot pediu que as respostas lhe fossem enviadas até esta quarta-feira (19). Em nota de esclarecimento, a PGR alegou não haver redução nos valores destinados à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

“O critério estabelecido para alocação do novo referencial, tratando-se de valores estimativos, leva em conta o valor da proposta de 2017, acrescido de 4,19%”, diz a nota.

Segundo a PGR, o valor previsto para o ano que vem poderá ser incrementado com “alocação de recursos extraordinários, remanejados do próprio MPF, a depender da necessidade apresentada pela Força-Tarefa”.

“No exercício atual, por exemplo, a Administração do MPF já reforçou os valores da Lava Jato em Curitiba, a partir dos recursos da reserva técnica, em aproximadamente R$ 500 mil”, informa a nota.

De acordo com a PGR, a atual administração considera a Lava Jato “prioridade”, disponibilizando os recursos necessários aos grupos que atuam nas investigações em Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. (Rafael Moraes Moura e Breno Pires)