“Não devo mais à Justiça”

Ex-assessor do prefeito Jonas Donizete (PSB) condenado por suposto envolvimento com o PCC e perdoado por indulto nega acusações e afirma ser o 'único prejudicado'

Luiz Vassallo

13 Julho 2018 | 12h00

Quite com a Justiça após cumprir parte da pena por organização criminosa, Alexandre Cora Francisco, o Xandão, ex-assessor do prefeito Jonas Donizete afirma ser o ‘único prejudicado’ em investigação do Ministério Público que identificou supostas ligações dele com o PCC.

Preso desde dezembro de 2015, Xandão foi contemplado por indulto após cumprir parte da pena em dezembro de 2017 – ele já havia sido solto em outubro. “O executado comprovou padecer de cegueira bilateral, contraída após a prática do delito, bem como o cumprimento do lapso suficiente da pena a ele infligida para atender ao requisito objetivo temporal demandado pelo texto legal da indulgência principis”, diz a decisão.

A Justiça ainda anotou que ele foi condenado a crimes inferiores a 8 anos e havia cumprido um terço da pena, obediência exigida pela constituição.

O Estado revelou que ele foi alvo de interceptações telefônicas e chegou a oferecer um cargo para um líder da facção.

Ele, no entanto, afirma ser inocente. “Queria dizer a você que o mais prejudicado nessa história fui eu que, além de ficar cego, perdi meu emprego”. Em entrevista à rede Bandeirantes, ele ainda narrou ter sofrido violências e ameaças na cadeia.

E ressalta: “Tenho vizinhos que me conhecem inclusive investigadores, policiais, bombeiros, que ficaram indignados que fui acusado e me conhecem desde criança e meu dia a dia”.

“Não sou criminoso. Não pertenço a facção nenhuma. Não sou traficante. Nunca fiz parte dessas coisas”, afirma Xandão.

E ressalta seu trabalho para Jonas Donizette (PSB).  “Toda campinas me conhece, o meu trabalho que fazia pelo gabinete do Prefeito”.

O ex-assessor da Prefeitura critica o vazamento das investigações. “Pode ser uma rivalidade política para querer me prejudicar”.

“Eu vou te dizer que não tenho mais esse problema com a Justiça. Eu não devo mais à Justiça esse processo. eu tenho indulto pleno que me isentou de todas e quaisquer acusações deste processo”, conclui.

Mais conteúdo sobre:

Jonas DOnizette; pcc; campinas