Na ausência do governador, vice do Amazonas ‘cria’ documento de madrugada e tenta demitir chefe de polícia

Na ausência do governador, vice do Amazonas ‘cria’ documento de madrugada e tenta demitir chefe de polícia

Carlos Almeida se aproveitou de viagem do desafeto Wilson Lima (PSC) e quis emplacar delegado no cargo de secretário de Segurança Pública do Estado, mas plano malogrou porque substituição não chegou a ser publicada no Diário Oficial; Executivo estadual chamou episódio de 'ato gravíssimo'

Redação

22 de julho de 2021 | 14h12

O governador do Amazonas, Wilson Lima, ao lado do vice, Carlos Almeida Filho. Foto: Divulgação

O vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida (PSDB), tentou demitir, na madrugada desta quinta-feira, 22, o secretário estadual de Segurança Pública, Louismar Bonates, enquanto o chefe do Executivo do Estado, Wilson Lima (PSC), viajava.

De acordo com o governo do Estado, Almeida e um funcionário comissionado da Casa Civil ‘criaram’, ‘de forma ilegal e sem conhecimento do governador’, um documento exonerando Bonates, mas ele não chegou a ser publicado, não tendo validade.

“Mas o ato gravíssimo tem o objetivo de causar instabilidade e danos ao Governo. Diante disso, o servidor será exonerado, tendo tido as senhas de acesso ao sistema de governo canceladas e sido proibido de entrar na Casa Civil”, informou o governo do Amazonas em nota. O texto diz ainda que o caso foi encaminhado à polícia, ‘que tomará todas as providências para responsabilizar os envolvidos nesse ato criminoso’.

Cópia do texto indica que o vice do Amazonas pretendia nomear o delegado Mario Jumbo Miranda Aufier como novo Secretário de Segurança do Estado.

Carlos Almeida e Wilson Lima estão rompidos desde que a Polícia Federal mirou a cúpula do governo do Amazonas na Operação Sangria, que investigou irregularidades na compra de respiradores para tratar pacientes infectados pelo novo coronavírus. A Procuradoria-Geral da República denunciou os dois, juntamente com outras 16 pessoas, no âmbito das apurações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.