Mulher de Daniel Silveira não vai hoje à PF explicar R$ 100 mil em sua conta

Mulher de Daniel Silveira não vai hoje à PF explicar R$ 100 mil em sua conta

Pepita Ortega e Fausto Macedo

10 de junho de 2022 | 14h58

Defesa diz que bloqueio de contas de Paola da Silva Daniel é indevido. Foto: Reprodução/Instagram

A defesa de Paola da Silva Daniel, mulher do deputado bolsonarista Daniel Silveira (PTB-RJ), informou à Polícia Federal que a advogada não vai comparecer a depoimento marcado para as 15h desta sexta-feira, 10, na sede da corporação em Brasília.

A oitiva foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, para que se ‘esclareça as circunstâncias’ de uma transferência de R$ 100 mil, feita da conta de Silveira para a de Paola.

A operação foi realizada antes que bancos cumprissem ordem de bloqueio decretada contra o bolsonarista pelo descumprimento de medidas cautelares impostas no processo em que foi condenado por ataques contra a democracia. O parlamentar acumula R$ 645 mil em multas em razão das violações.

A advogada Mariane Cardoso, que representa Paola, diz que não há ‘condições de analisar a plausabilidade’ do comparecimento de sua cliente ao depoimento em razão de negativa de acesso ao procedimento em que a mulher de Silveira foi citada, o qual corre sob sigilo.

No âmbito de tal petição, que tramita no STF, o ministro Alexandre de Moraes mandou bloquear as contas da advogada Paola da Silva Daniel, registrando indícios do crime de favorecimento pessoal.

Em manifestação enviada ao gabinete do ministro nesta quarta-feira, 8, a defesa do deputado pediu o desbloqueio das contas de Paola. O principal argumento é que ela também é advogada no processo e que o congelamento das contas bancárias seria uma violação às prerrogativas profissionais.

O pedido diz ainda que, como mulher de Daniel Silveira, ela é “proprietária de parte dos bens”. “Razão pela qual é absolutamente lícita a transferência realizada, por ser transação entre cônjuges que partilham a vida e o patrimônio”, registra.

Segundo a defesa, em razão do bloqueio de suas contas, Paola está ‘sem recursos financeiros para sua sobrevivência e custeio de suas atividades profissionais.

A advogada do casal, Mariane Cardoso, afirma que compareceu ao Supremo nesta quinta-feira, 9, para obter cópia dos documentos sob sigilo ligados ao bloqueio de Paola e à quebra de sigilo bancário de Silveira, mas não conseguiu o acesso. Cardoso diz ainda que acionou procuradora da Ordem dos Advogados do Brasil para elaboração de Auto de Constatação de Violação de Prerrogativas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.