‘Muito humano e religioso’, diz mãe a Moro sobre o filho preso da Lava Jato

‘Muito humano e religioso’, diz mãe a Moro sobre o filho preso da Lava Jato

Maria Escalfoni depôs nesta segunda-feira, 14, ao juiz Sérgio Moro, arrolada pelo próprio filho, Marivaldo Rozário que foi capturado em maio na fase Asfixia por propinas de mais de R$ 100 milhões a ex-gerentes da Petrobrás

Luiz Vassallo

15 Agosto 2017 | 10h00

Preso desde maio, no âmbito da 40.ª fase da Lava Jato, Marivaldo Rozário Escalfoni arrolou sua própria mãe como testemunha de defesa ao juiz federal Sérgio Moro. Maria Escalfoni, genitora do empresário acusado de operar propinas para ex-gerentes da Petrobrás, o classificou como ‘maravilhoso’, ‘muito humano’ e ‘religioso’, em audiência que durou quatro minutos e só contou com perguntas do advogado do filho.

Marivaldo está encarcerado preventivamente no âmbito da Asfixia, etapa da Lava Jato que investiga repasses de mais de R$ 100 milhões em propinas de empreiteiras que mantinham contratos com a Petrobrás aos ex-gerentes da estatal Maurício Guedes de Oliveira e Márcio de Almeida Ferreira.

Segundo o Ministério Público Federal, a lavagem de dinheiro dos esquemas, entre 2003 e 2016, passou pelas empresas Akizo e Liderrol, que tinham Marivaldo Escalfoni como um de seus administradores e eram subcontratadas pelas empreiteiras supostamente envolvidas em fraudes em licitações.

De acordo com relatório do Banco Central, R$ 100 milhões foram bloqueados das duas empresas. Somente Marivaldo teve R$ 7,7 milhões confiscados pela Justiça.

Com o fim de se defender no processo, o empresário arrolou a própria mãe, que fez elogios ao filho.

“Maravilhoso como filho, esposo, cunhado, amigo. É maravilhoso em tudo. Não é por ser meu filho. Mas é bom para todos, muito humano e religioso”, afirmou Maria Escalfoni, de 79 anos.

A mãe do empresário alegou receber uma pensão de R$ 6 mil do filho e disse que Marivaldo ainda banca despesas da sogra, do pai, dos sobrinhos e da esposa, além do ‘irmão, muito obeso, que tem problemas de saúde’.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato