MPF entra com ação de improbidade contra Bolsonaro e cobra devolução de salários de ‘Wal do açaí’

MPF entra com ação de improbidade contra Bolsonaro e cobra devolução de salários de ‘Wal do açaí’

Investigação concluiu que Walderice Santos da Conceição, ex-secretária parlamentar de Bolsonaro na Câmara dos Deputados, nunca esteve em Brasília e seria funcionária fantasma

Rayssa Motta

22 de março de 2022 | 16h30

Presidente Jair Bolsonaro é alvo de ação de improbidade por empregar funcionária fantasma. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com uma ação de improbidade administrativa contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) e sua ex-secretária parlamentar Walderice Santos da Conceição, a ‘Wal do açaí‘, que foi empregada por mais de 15 anos em seu gabinete na Câmara dos Deputados.

A ação foi enviada à Justiça Federal de Brasília e pede que o ressarcimento de recursos públicos que, segundo o MPF, foram ‘indevidamente desviados’ por meio da nomeação de Walderice. A conclusão da investigação é que ela seria funcionária fantasma.

“As condutas dos requeridos e, em especial, a do ex-deputado federal e atual presidente da República Jair Bolsonaro, desvirtuaram-se demasiadamente do que se espera de um agente público. No exercício de mandato parlamentar, não só traiu a confiança de seus eleitores, como violou o decoro parlamentar, ao desviar verbas públicas destinadas a remunerar o pessoal de apoio ao seu gabinete e à atividade parlamentar”, diz um trecho da ação.

Walderice foi indicada para o cargo de secretária parlamentar de Bolsonaro em fevereiro de 2003. Ela ficou lotada no gabinete em Brasília até agosto de 2018. A exoneração ocorreu em meio a suspeitas de irregularidades reveladas pela Folha de S. Paulo. A reportagem mostrou que Wal trabalhava vendendo açaí em Angra dos Reis, no litoral do Rio, quando deveria cumprir expediente na Câmara.

‘Wal do açaí’ foi lotada no gabinete de Bolsonaro durante mais de 15 anos, mas segundo MPF nunca esteve em Brasília. Foto: Reprodução/Facebook

A investigação do MPF aponta que ‘Wal do açaí’ nunca esteve em Brasília e jamais exerceu qualquer função relacionada ao cargo de secretária parlamentar. De acordo com os procuradores, os serviços prestados por ela tinham ‘natureza particular’.

“Em especial nos cuidados com a casa e com os cachorros de Bolsonaro na Vila Histórica de Mambucaba. Além do mais, apesar de expressa vedação, Walderice cuidava de uma loja de açaí na região”, afirma o Ministério Público.

Ainda segundo a ação, Bolsonaro ‘tinha pleno conhecimento’ de que ela não prestava os serviços correspondentes ao cargo e ‘atestou falsamente’ a frequência ao trabalho.

O processo também cita movimentação atípica nas contas bancárias da ex-secretária parlamentar. Isso porque, segundo o MPF, 83,77% da remuneração recebida no período era sacada em espécie.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.